UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

O ao letivo nem começou e os servidores da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) estão novamente em greve, na repetitiva e…

More...
HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

Chega ao fim à meia-noite do próximo sábado (17) o horário de verão em vigor desde outubro passado, quando os…

More...
PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

A Agência Nacional de Telecomunicações divulgou comunicado nesta segunda-feira (29) com a informação de que foram adicionados ao sistema 1,91…

More...
TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

Crise e mobilidade leva país a perder 1,2 milhão de linhas de telefone fixo  em 2017 [Com Agência Brasil] -…

More...
 PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

O governador de Minas, Fernando Pimentel, vai lidando como pode com a insatisfação dos prefeitos após a repetição dos atrasos…

More...
APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

Prefeito tem prazo de cinco dias para apresentar alegações finais, mas recusa em prestar depoimento indica que optou por judicializar…

More...
NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

O MAR NÃO ESTÁ PARA OUTSIDERS

No Segunda, 27 Novembro 2017 08:38.

Luciano Huck desiste da disputa pela Presidência

Em longo e bom artigo publicado nesta segunda-feira (27) pelo jornal Folha de S.Paulo, o apresentador da Rede Globo Luciano Huck informa que não será candidato à Presidência da República em 2018. Huck se compara a um Ulisses em ‘A Odisseia’ para dizer que, nos últimos meses, esteve amarrado ao mastro, de onde ouvia a sedução das sereias para entrar na aventura presidencial.

Foram seus parentes, pais e a mulher Angélica, também apresentadora global, além de amigos que o teriam demovido da ideia, já que tinham os ouvidos tapados com cera, como a tripulação do barco de Ulisses, e não o deixaram “levar pelos sons dos chamados quase irresistíveis”.

No mais do artigo, Huck faz longo discurso sobre seu apreço pelas pessoas e sobre como tentou entender em que momento seu nome foi parar no rol dos presidenciáveis. Luciano bate duro na velha política que está aí e para dizer que o país pode contar com ele, mas que não candidato a presidente.

Imprimir

UM INTERVALO NA PROGRAMAÇÃO. É VAPT E VUPT!

No Quarta, 14 Fevereiro 2018 09:45.

Pelas próximas semanas os 17 leitores aqui do espaço ficam liberados para a leitura em outros sítios. Tem coisa boa por aí. O Blog vai ali e volta já. Na volta, há promessas de um debate que vale uma missa e algumas velas acesas pelas penadas almas que perderam o rumo e têm muito mais a dizer do passado do que propriamente oferecer alguma esperança de futuro. É gente que insiste em permanecer na boca da cena, a despeito de suas incompetências e certo talento para dividir, antes de somar, numa ponta, e outsiders que se apresentam sem a menor noção do tamanho da responsabilidade que é tocar a coisa pública em ambiente tão conflagrado como o atual.  

Fica uma reflexão para aqueles 17 que por aqui navegam: o que dizer de nossas escolhas? O eleitor talvez precise matutar melhor sobre quem delega poderes, pela via do voto, para o cargos de decisão sobre boa parte dos problemas que afeta a vida de todos (temas como saúde, educação, segurança e esperança no futuro). A esperança estará nas mãos dos capitães Nascimento do turno ou virá das antenas de TV, como cantava os Paralamas do Sucesso nos anos 1980.

Não custa perguntar sobre suas atitudes práticas e longe das luzes enganadoras dos palanques eleitorais: esses políticos reconhecem as liberdades de imprensa e o próprio Judiciário como parte dos pesos e contrapesos que harmonizam a vida democrática? Tem muito a ver com a eleição presidencial desta ano-calendário, mas tem link também com as escolhas locais. A cena é pródiga em governos fracassados, em parte pelo ambiente de crise geral, mas também pela pequenez dos seus horizontes.    

Vale para o plano país, mas também para os nossos microcosmos municipais. Sobre os políticos, o eleitor deveria se questionar: entendem a importância que a diversidade de opinião e da tolerância representam para o jogo democrático? Esses agentes respeitam os limites das liberdades constitucionais e as instituições de relevante interesse público? Ou delas querem apenas fazer instrumento do seus joguinhos e interesses mesquinhos?

Ter uma mente aberta para o jogo democrático é determinante para todo o resto -- sob pena de acontecer o que vimos por aí: cidades marcando passo por décadas no atraso e na miséria, em boa medida pelo fracasso das elites que estão no comando. Será uma boa peleja. E vai dar panos para muitas mangas, esses currais onde pastam nossa gente sempre na mãos dos velhos coronéis - agora travestidos de neoliberais 

Imprimir

BALANÇOU, MAS NÃO CAIU...

No Quarta, 14 Fevereiro 2018 09:43.

Prefeito empodera secretária que vereador aliado classifica com ‘nota abaixo de zero’

Personagem-chave da mais grave crise enfrentada pelo prefeito de Manga na atual gestão, a secretária da Saúde, Luciene de Almeida Souza, segue firme e forte no cargo no pós-Carnaval. Ela tem sido alvo de fortes críticas vindas do ex-líder do governo na Câmara Municipal, vereador Evilásio Amaro Alves (PPS). Embora não tenha recebido nenhuma demonstração pública de apoio da parte do prefeito Quinquinha de Quinca de Otílio (PPS), a titular da Saúde parece ter saído até fortalecida do episódio em que chegou mesmo a bater boca com o vereador Evilásio. Na ocasião, ela teria dito que deve satisfação ao prefeito - a quem cabe mantê-la no cargo ou exonerá-la, a despeito da opinião do aliado de que ela não reuniria as condições necessárias para ocupar cargo no primeiro time da administração manguense, como se verá mais abaixo.  

O vereador apontou, durante discurso na tribuna da Câmara, no início deste mês de fevereiro, o que supostamente seriam negligências e falhas em serviço da secretária Luciene na condução do setor de saúde do município. Segundo uma fonte, o episódio teria servido mesmo foi para empoderar a secretária, que conseguiu unir todo o entorno do prefeito contra o vereador Evilásio. “A Lú é muito querida na Prefeitura. Esse assunto aí com o vereador não mudou nada a situação dela, que ficou até melhor”, contou uma fonte ao Blog. A fala do vereador, segundo esta mesma fonte, foi reduzida para um ‘surto’ sem maiores consequências.

Luciene Almeida recebeu a solidariedade de outras duas mulheres que formam o primeiro escalão da atual administração em Manga. As secretárias Fabrícia Mota Ferreira (Educação) e Cleide Alves Mota de Sá (Assistência Social), conta esta mesma fonte, teriam fechado questão no apoio à colega da Saúde. Cleide, que como o sobrenome indica é contraparente do prefeito, e Fabrícia Mota, que anda eclipsada na atual gestão, têm bastante influência nos corredores da Prefeitura e teriam, segundo essa mesma fonte, sido decisivas para evitar a exoneração de Luciene.

“Não tem a menor chance do prefeito aceitar uma indicação de Evilásio para a Secretária da Saúde. Quem conhece o homem sabe que não vai aceitar dividir o poder com ninguém”, comentou outro conhecedor da cena manguense, com visão bem próxima e privilegiada dos acontecimentos locais. Essas fontes, claro, pedem para não terem seus nomes revelados em razão da conhecida dificuldade do prefeito em lidar com críticas, ainda que construtivas.

Um leitor aqui do site lembra episódio parecido durante a primeira gestão de Quinquinha (2007/2012), quando o hoje advogado e então vereador Maurício Magalhães, o Maurício Cabeção (PR) rompeu com o prefeito na briga por espaço por essa mesma Secretaria da Saúde. Em meio ao tiroteio daquela ocasião, Eziquel Castilho, que era o secretário de Saúde de turno e amigão de Maurício, foi exonerado e enviado para um cargo de menor relevância na Fundação Hospitalar de Amparo ao Homem do Campo, a entidade mantenedora do único hospital da cidade. 

Evilásio diz que deixou a liderança do governo na Câmara para se sentir mais à vontade em apontar o que acredita ser falhas que atrapalham o atual governo. Se for mesmo irrevogável, a decisão do vereador deixa o prefeito em dificuldades, porque perde a única voz que defendia sua administração no Legislativo, onde não tem maioria de votos e ainda enfrenta a investigação de uma comissão processante às voltas com ato de improbidade na contratação de um escritório de advocacia.

Do alto da experiência dos seus cinco mandatos, Evilásio sabe do que está falando- tem experiência acumulada tanto em ser governo quando ser oposição. Companheiro de primeira hora do atual prefeito, o vereador aponta para o que seria falhas graves na atuação da secretária de Saúde, que, até onde se sabe, não desmentiu o vereador. Se tudo for empurrado para debaixo do tapete do gabinete do prefeito de Manga, Evilásio tem razão em abrir mão de ser líder de um governo de parâmetros éticos e morais com os quais não concorda.

No mesmo pronunciamento na Câmara, o vereador narra casos de supostas negligências da secretária em relação ao atendimento de pessoas que buscavam apoio da Prefeitura de Manga. Cabe ao leitor fazer seu próprio juízo desse imbróglio todo. Confira:

"A cobrança de uma senhora que tem problemas que carece de atendimento de um cardiologista, parece que três vezes por mês, e que a gestão anterior pagava pelo menos 50% [dos custos] dos seus exames. Não sei até que ponto isso é verdade, mas sei que da secretária não recebeu nenhuma assistência. Já tivemos aqui a cobrança do cidadão Capucho, em parte é verdade que procurou a secretária várias vezes na Secretária e ela não o atendeu. É verdade, e tá no [CAO?], a resposta que ela dá, mentirosa, de um pleito de atendimento à ajuda de custo para um cidadão que estava internado para fazer tratamento contra as drogas, ele é dependente. Eu estive inclusive no Caps [Centro de Assistência Psicossocial], vi o parecer do médico psiquiatra, vi o que foi feito. E ela [Luciene] mente numa resposta por escrito, que foi um parecer jurídico que impediu [de prestar o atendimento], e lá não tem parecer jurídico. Ela nega, inclusive, que a assistência social emitiu parecer contrário. E isso é mentira, porque a assistente social do Caps é a vereadora Castilha, que sequer foi procurada para se manifestar. Então é mentira. Então eu disse pessoalmente à secretária que ela para mim é 'nota zero', mas eu fui anda benevolente: ela está muito abaixo de zero, quando não atende o município de Manga a partir das 16:30; quando ela não atende o município de Manga nos finais de finais de semana; quando não atende ao princípio legal de prestar contas em audiência pública, inclusive nesta Casa [dá tapas no móvel da tribuna]; quando ela deixa de atender ao cidadão carente. Eu disse isso a ela e disse ao prefeito: essa pessoa Manga não merece tê-la nos seus quadros representando como secretária de Saúde. Não merece. Manga merece pessoa mais simples, mais dada à coisa pública, mais responsável com os recursos, por exemplo 15% [ fatia da saúde no orçamento]. Então eu não posso ser complacente e aí talvez não fique cômodo - talvez não fique cômodo para quem deve favores, eu não devo favor -, o líder do governo fazer críticas [à administração que representa]. Então, estou aproveitando que não sou mais líder, mas tinha manifestado para e para o prefeito, já manifestei nesta Casa, com relação à assistência social, que a gente espera que nesses oito dias saia uma resposta. Agora, aqui, neste quadrimestre, ou ela presta contas, e ela tem que prestar pelo ano passado, ou eu vou ser o primeiro signatário de buscar essas informações via Ministério Público”.

A fala do vereador é contundente pela riqueza de dados que oferece. Em tempos mais normais, teria sido motivo para pedido de demissão do agente público apontado em falhas como as que se lê mais acima. A carta de demissão não veio e o prefeito finge que não tem nada com isso. É pouco provável que o vereador Evilásio se dê por vencido e aceite placidamente a solução para o caso. Quem semeia ventos, costuma ter safra recorde de tempestades, especialmente em ambientes em que vicejam a cizânia. Resta saber quem vai piscar primeiro.

Procurados via e-mail, o prefeito e seu secretário de Governo, Henrique Almeida Fraga, não responderam até a publicação deste post. 

Demissões no Hospital

Imprimir

HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

No Segunda, 12 Fevereiro 2018 19:13.

Chega ao fim à meia-noite do próximo sábado (17) o horário de verão em vigor desde outubro passado, quando os relógios devem ser atrasados em uma hora.

Após quatro meses em vigor, o horário de verão impactou a vida das pessoas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Nos estados do Norte e do Nordeste não houve mudança nos relógios. A temporada do horário diferenciado neste verão em 2017/18 dividiu opiniões e o governo federal chegou mesmo a cogitar a possibilidade de fazer enquetes em redes sociais para deliberar sobre o assunto.

O fim do horário de verão não está de todo descartado, porque pesquisas de entidades do setor elétrico indicam mudanças nos hábitos de consumo de energia dos brasileiros. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o que influencia o maior consumo de energia no horário de pico não é mais a incidência de luz solar, e sim a temperatura.

Enquanto a mudança não vem, o governo já decidiu que a próxima edição do horário de verão deve começar mais tarde do que o habitual. É que o presidente Michel Temer assinou decreto, em dezembro passado, que reduz a duração do horário especial, transferindo o começo de outubro para novembro. A data de encerramento continuará no terceiro domingo de fevereiro de cada ano.

A justificativa para a adoção da medida ano após ano é o aproveitamento do maior período de luz solar para economizar energia elétrica. Em 2013, o país economizou R$ 405 milhões, ou 2.565 megawatts (MW), com a adoção do Horário de Verão. No ano seguinte, essa economia baixou para R$ 278 milhões (2.035 MW) e, em 2015 caiu ainda mais, para R$ 162 milhões. Em 2016, o valor economizado com Horário de Verão baixou novamente, para R$ 147,5 milhões.

Imprimir

UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

No Sábado, 10 Fevereiro 2018 10:18.

O ao letivo nem começou e os servidores da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) estão novamente em greve, na repetitiva e cansativa rotina que todos conhecemos. A falência do Estado brasileiros domina a paisagem, mas volta e meia mostra sua face mais aguda justamente na educação, onde deveria estar a última esperança de redenção para dias melhores. Uma comissão de servidores da Unimontes, em greve há 15 dias, esteve em Belo Horizonte, na sexta-feira 9, em audiência com o secretário de Estado e Planejamento, Helvécio Magalhães, para tentar abrir rodada de negociação em que a categoria reivindica pagamento de salários em atraso e reajuste em seus ganhos.

O encontro acabou sem resultado prático, porque Helvécio Martins é o porta-voz de um Estado quebrado, assumidamente incompetente quando o assunto é educação - vide o atrasos nos repasses aos municípios para o pagamento do transporte escolar. Assim não fosse, como justificar o vencimento básico de um professor especialista com 20 horas semanais de trabalho na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) é de R$ 885,64. Isso é menos de um salário mínimo. Que chances de futuro pode ter o desgraçado país que paga aos seus professores universitários salário que ninguém mais no rodapé da pirâmide social quer receber?

o professor especialista recebe valor inferior ao salário de um professor da educação básica, que fica em torno de R$ 2 mil, quando se soma as gratificações não passa de R$ 1,3 mil. Essa é uma das distorções apontadas pela Associação dos Docentes da Unimontes (Adunimontes) para justificar a deflagração da greve dos professores, há 15 dias. A ser verdade que um professor universitário recebe apenas R$ 1,3 mil, após anos de preparação, a mais importante instituição de ensino do meio-norte mineiro deveria decretar sua autofalência. Ou tomar as medidas cabíveis para rever as habituais gorduras que há em toda repartição pública do país.

Segundo a diretora de Comunicação da Adunimontes, Maria Clara Maciel, a paralisação ocorre em razão do não cumprimento do acordo que pôs fim à greve de quatro meses, de 2016, e que foi homologado pelo Tribunal de Justiça de Minas gerais. O documento prevê, como principal ponto, a reestruturação de carreira, acordada em outras paralisações, mas não cumpridas pelo governo estadual.

Imprimir

DEU RUIM PRA JURACI

No Sexta, 09 Fevereiro 2018 08:04.

Tribunal Regional confirma cassação do prefeito e vice de Nova Porteirinha

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais confirmou na quinta-feira (8) a cassação do diploma do prefeito de Nova Porteirinha (Norte de Minas), Juracy Fagundes Jacome (PMDB), e de seu vice-prefeito, Edésio Vital Neto (PSDB). Em decisão unânime, a corte validou decisão de primeira instância do juiz eleitoral da Comarca de Janaúba, Ériton José Sant’Ana Magalhães, que em março do ano passado cassou a diplomação do prefeito e vice, acusados da prática de abuso do poder econômico e compra de votos durante a campanha eleitoral de 2016.

Os desembargadores seguiram o voto do juiz-relator, Pedro Bernardes, e mantiveram, também, a perda dos direitos políticos pelo prazo de oito anos aos políticos. O prefeito nega as acusações e espera ser notificado para discutir com sua defesa a estratégia que vai adotar no recurso que deve enviar ao Tribunal Superior Eleitoral, aqui em Brasília.

Juraci Fagundes foi eleito com 2.109 votos (45,87%), que foram anulados. Se a sentença pelo seu afastamento quem assumo é o atual presidente da Câmara de Vereadores, Ailson Soares Oliveira, o Tita do Taxi (PTB), um aliado do prefeito.

De acordo com a ação de impugnação ao mandato eletivo (Aime) proposta pelo Ministério Público Eleitoral, o prefeito teria montado um esquema de compra e distribuição de combustível para cabos eleitorais e eleitores na reta final da eleição de 2016, o que teria influído no resultado daquele pleito. O suposto esquema era, segundo o MP, comandado por pessoa vinculada à campanha eleitoral, que atuava para distribuir vales-combustível para uso em um posto de gasolina da cidade.

Interferência no processo eleitoral

Imprimir

CRISE ABALA BASE ALIADA DE QUINQUINHA

No Terça, 06 Fevereiro 2018 08:22.

Principal aliado do prefeito de Manga renuncia à liderança do Governo na Câmara com duro ataque à secretária de Saúde

O Grupo Recreativo Unidos da Base Aliada do prefeito de Manga, Quinquinha de Quinquinha de Otílio (PPS), ameaça atravessar o samba nas vésperas do Carnaval. O vereador Evilásio Amaro Alves (PPS) renunciou na sessão ordinária da Câmara de Manga da segunda-feira (5), que marcou a abertura do ano Legislativo no município, ao cargo de líder de governo.

Amaro também comunicou ao presidente da Casa, João França Neto, o Dão Guedes (PT), o seu afastamento das comissões permanentes das quais tinha assento (Educação e Jurídica). O assunto foi parar nas redes sociais ainda ontem, mas, no vídeo, que parece ter sido editado, o vereador não deixa claro quais foram suas razões para tomar a decisão de desfalcar a administração Quinquinha da única voz que a defendia na Câmara Municipal.

No mesmo pronunciamento, Evilásio faz um duro ataque à secretária da Saúde, Luciene de Almeida Souza. Durante sua fala, o vereador narra casos de suposta negligência da secretária em relação ao atendimento de pessoas que buscavam apoio da Prefeitura de Manga. "Ela [Luciene] mente numa resposta por escrito, que foi um parecer jurídico que impediu [de prestar o atendimento], e lá não tem parecer jurídico. Ela alega, inclusive, que a assistência social emitiu parecer contrário. E isso é mentira, porque a assistência social do Caps [Centro de Assistência Psicossocial] é a vereadora Castilha, que sequer foi procurada para se manifestar. Então é mentira", discursou o vereador sobre um caso de suposta negativa de apoio do município a um usuário de drogas que não foi nominado em sua fala. 

Conforme o Blog mostrou aqui, o vereador e a secretária de Saúde tiveram um áspero bate-boca há quase um mês, quando o parlamentar esteve na Secretaria de Saúde para reclamar desses mesmos temas. "Eu disse pessoalmente à secretária que é 'nota zero', mas eu fui anda benevolente: ela está muito abaixo de zero, quando não atende o município de Manga nos finais de tarde e finais de semana, quando não atende ao princípio legal de prestar contas em audiência pública, inclusive nesta Casa, quando ela deixa de atender ao cidadão carente. Eu disse isso a ela e disse ao prefeito", denunciou o vereador da tribuna da Câmara.

Procurado para comentar o assunto, Evilásio diz ter agido por 'coerência' e pelos mesmos motivos que o autor destas linha o teria ofendido em texto sobre o assunto (abaixo). "Você sabe que não é verdade que estou indicando minha filha para a Secretaria de Saúde; quando você insinua a Fundação Amaro [referência à Fundação de Amparo ao Homem do Campo], pois minha prima é funcionária a muito tempo, quando você cita o nome de filho [advogado e servidor com cargo comissionado na Prefeitura de Manga]. Eu não faço nada pra cobrar algo em troca, apenas tento ser coerente com meus princípios", escreveu o vereador via aplicativo de mensagens instantâneas.

Evilásio ataca o mensageiro por achar que a mensagem não é agradável aos seus ouvidos, mas erra em um ponto: este jornalista tem interesse 'abaixo de zero' nas brigas de bastidores da gestão Quinquinha. As críticas ao vereador, que apenas reproduzo nos meus textos, têm origem na oposição ao prefeito, claro, mas, em grande medida, vem também de gente ligada à administração. Tenho alguns registros dessas conversar, protegidas pelo instituto constitucional do sigilo da fonte. 

Falta à Evilásio, contudo, a coerência de não reconhecer que este jornalista o procurou (na imagem acima) para comentar o bate-boca com a secretária Luciene Almeida. Na ocasião, pedi para comentar as críticas que circulava em relação à presença do sobrenome de família na Fundação de Amparo ao Homem do Campo e se era verdade que pedia a exoneração dela para colocar em seu lugar uma indicada sua. Ele não respondeu à mensagem. O silêncio importa anuência. Responder a um jornalista com ofensas é, no mínimo, demonstração de despreparo para o jogo democrático em que a imprensa se insere como um de seus atores.  

Secretária terá desagravo? 

Imprimir

TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

No Sábado, 03 Fevereiro 2018 15:40.

Crise e mobilidade leva país a perder 1,2 milhão de linhas de telefone fixo  em 2017

[Com Agência Brasil] - O serviço de telefonia fixa terminou o ano de 2017 com queda de 2,96% no número de assinantes. No total, nos últimos 12 meses, houve redução de 1,2 milhão de linhas, fazendo com que o número de contratos do serviço terminasse o ano com 40,8 milhões de linhas em operação. A redução desse tipo de linhas tem sido uma constante nos últimos anos. Entre as causas para a desistência de se ter um número fixo estão a crise financeira no país e os custos cada vez menores da migração para as linhas móveis, que oferecem mais comodidade como o acesso à internet e aplicativos. 

Os números, divulgados na sexta-feira (2) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), também mostram que, no ano, as empresas as autorizadas perderam 134,7 mil linhas, uma queda de 0,11%, e as concessionárias tiveram redução de 1,1 milhão de unidades, recuo de 4,48 %.

Entre os estados, São Paulo aparece na frente no que diz respeito à redução no número de linhas. Nos últimos 12 meses, com 412 mil linhas a menos, o estado apresentou uma queda de 2,61%. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, com menos 330,9 mil linhas, perda de 6,46%; seguido por Minas Gerais, com menos 109,3 mil e recuo de 2,74%.

Apenas três estados apresentaram crescimento: Santa Catarina, com 20,4 mil linhas fixas, aumento de 1,22%; Paraná, com mais 7,8 mil, acréscimo de 0,27%, e Acre, com mais 0,2 mil linhas, elevação de 0,24%.

Grupos

Imprimir

PREFEITO CRIA CARGO PARA PRIMEIRA-DAMA

No Sexta, 02 Fevereiro 2018 08:17.

 Vanessa Borborema assume Secretaria de Governo em Januária, pasta que não existia até o final do ano passado

Dois decretos assinados no prazo de alguns minutos pelo prefeito de Januária, no extremo Norte de Minas, Marcelo Félix Alves de Araújo, o Dr. Marcelo, foram o que bastou para fazer um up-grade na carreira da primeira-dama do município, Vanessa Alves Borborema.

Por meio do decreto 4.056, publicado há um mês, no dia 2 de janeiro, o prefeito Marcelo exonerou 10 secretários municipais, além da procuradora-geral do município, Renata Magalhães Ruas, o coordenador-geral de Controles Internos, Adair Júnior Mendonça Machado, e a própria mulher, Vanessa Borborema, que ocupava, desde o início do mandato, o cargo de assessora de gabinete.

Com a mesma caneta, em ato contínuo, Dr. Marcelo passou o jamegão no decreto 4.057, em que reconduziu às suas funções os mesmos 10 secretários e, surpresa, nomeou a primeira-dama Vanessa Borborema para o cargo de secretária de Governo do Município de Januária, pasta que não existia na estrutura anterior. Entre um decreto e outro, o assessor de comunicação social, Marcelo Rodrigues do Nascimento, mudou de status e assumiu o cargo de gerente de comunicação. 

Entre os secretários renomeados, está Mércia Félix Alves de Araújo, secretária do Desenvolvimento Social e irmão do prefeito, como indica o sobrenome. Januária, que atravessou duras crises políticas nas duas últimas décadas, agora estreia a novidade do nepotismo com a mulher e irmã do prefeito de turno em cargos da alta administração local.

Decretos sequenciais assinados pelo prefeito mostram promoção de primeira-dama de assessoria para secretária de Govern 

Não é crime nomear as esposas para os governos dos seus maridos. Marcela Temer e Carolina de Oliveira Pimentel têm cargos nas estruturas da Presidência da República e do Governo de Minas, respectivamente. Carolina Pimentel chegou a ocupar o cargo de secretária do Trabalho, mas depois foi exonerada pelo marido e governador Fernando Pimentel.

Se não é ilegal, a nomeação de parentes não passa pelo crivo da moralidade. Em extensa nota enviada ao Em Tempo Real, em que aproveita para fazer o balanço do primeiro ano da sua gestão (íntegra ao final do texto), o prefeito Marcelo Félix diz que a nomeação da primeira-dama não gera despesas extra para o município e que é resultado de um projeto de reestruturação administrativa e organizacional da máquina pública local aprovada pela Câmara de Vereadores em dezembro do ano passado, quando os cargos do primeiro escalão foram reduzidos de 15 para os atuais 13 ocupantes.

A reforma administrativa, segundo a nota, transformou a extinta Secretaria Municipal de Tributos em Gerência de Tributos e fez a fusão das secretarias de Finanças e Planejamento em sua pasta, a Secretaria Municipal de Fazenda e Planejamento. A Assessoria de Comunicação Social atende agora pelo nome de Gerência de Comunicação Social. Pela reestruturação, o antigo Departamento de Meio Ambiente foi absolvido pela Secretaria de Agricultura.

O prefeito explica que a Câmara de Vereadores ainda não aprovou a criação do cargo para a primeira-dama Vanessa Borborema. Por enquanto, apenas a reestruturação foi aprovada.

A primeira-dama passa a receber a partir de agora R$ 7,2 mil, que é o valor dos subsídios pagos aos secretários municipais, conforme lei municipal aprovada no final de 2016.

São cargos de livre nomeação, diz prefeito

"Não criamos novos cargos e sim promovemos uma reestruturação, que promoveu redução de despesas em detrimento, inclusive, da grave crise financeira", diz o prefeito em resposta ao questionamento do Blog sobre qual seria a justificativa para se criar mais uma secretaria no momento de crise econômica vivida pelo pais e o município de Januária.

O prefeito explica a nomeação de Vanessa, que é formada em enfermagem, em razão de histórico de "bons serviços prestados a administração pública, principalmente na cidade de Lontra, onde, entre outros cargos, coordenou a atenção primária [à saúde] daquele Município, tendo reconhecidamente prestado relevantes serviços". Marcelo Félix argumenta que a nomeação levou em conta "somente o critério de Vanessa ser a primeira-dama.

Há nepotismo em Januária? "Fiz diversas consultas a diversos órgãos e amigos que militam no mundo jurídico, alguns ocupando atualmente relevantes cargos junto ao TJMG [Tribunal de Justiça de Minas Gerais], em Belo Horizonte, e me foi dito que não configura nepotismo em detrimento das mesmas ocuparem cargos de secretária ou similar, ou seja, de agentes políticos, sempre de livre e ampla nomeação", reponde o prefeito. 

Fala Dr. Marcelo:

Imprimir

OBITUÁRIO: MORRE O EX-VEREADOR TIM 2000

No Quinta, 01 Fevereiro 2018 07:39.

Ator importante nos bastidores da primeira cassação de um prefeito em Manga, no extremo Norte de Minas, o ex-vereador Francisco Farias Gonçalves, o Tim 2000, morreu no final da noite da quarta-feira (31), aos 68 anos, vítima de complicações cardíacas. Tim 2000 foi internado no hospital local algumas horas antes e a notícia da sua morte começou a circular pelas redes sociais por volta das 11h. O corpo do ex-vereador deve ser velado no plenário da Câmara Municipal de Manga a partir da manhã desta quinta-feira.   

O político foi um dos presidentes mais longevos da Câmara de Vereadores de Manga e chegou a presidir aquele parlamento por quatro mandatos consecutivos, o que totaliza oito anos no comando da mesa diretora da Casa.

De estilo circunspecto e de pouca conversa, Tim 2000 esteve no centro de uma das mais graves crises da política local, quando a Câmara cassou, pela primeira na história local, o mandato do ex-prefeito Carlos Humberto Ferreira Salles acusado de improbidade administrativa.

Também sob o comando de Tim 2000, a Câmara de Vereadores mudou para sede própria após décadas de domicílio no prédio da Prefeitura de Manga, onde ocupava espaço bastante apertado. A proximidade do parlamento com o gabinete do prefeito de turno dava um caráter de submissão e dependência em relação ao Executivo local.