BR-135: COMÍCIO DE ARLEN TERMINA EM FIASCO

BR-135: COMÍCIO DE ARLEN TERMINA EM FIASCO

Paulo Guedes reage à tentativa de adversários em assumir paternidade do asfalto entre Montalvânia e Monte Rei  O risco negro…

More...
PIORA DA CRISE HÍDRICA AFETA IRRIGAÇÃO NO VELHO CHICO

PIORA DA CRISE HÍDRICA AFETA IRRIGAÇÃO NO VELHO CHICO

ANA adota Dia do Rio e suspende captações no São Francisco todas as quartas-feiras até o final de novembro A…

More...
CRISE A PERDER DE VISTA

CRISE A PERDER DE VISTA

A face mais feia desta crise que avança por 12 trimestres consecutivos começa a se manifestar com mais força. Nos…

More...
JUSTIÇA ÀS FAVAS

JUSTIÇA ÀS FAVAS

O bloco dos napoleões vencidos atiça as redes sociais desde que a Justiça Eleitoral resolveu, por vontade própria, assumir a…

More...
UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO II

UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO II

Conexão entre Malhada e Carinhanha, ponte Guimarães Rosa mostra que sonho dos manguenses é possível  Conhecida como ponte da integração,…

More...
MANGA: UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO

MANGA: UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO

Em audiência patrocinada pelo Judiciário, lideranças regionais debatem construção de ponte sobre o Rio São Francisco [ATUALIZADO] - O olhar…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

TEMER SEGUE NA CORDA BAMBA

No 23 Maio 2017.

Mídia é uma das arenas em que o presidente precisa transitar para garantir sobrevivência

A estratégia do presidente Michel Temer para ir ficando no cargo inclui, por óbvio, a grande imprensa – além de manter unida no que for possível deputados e senadores da base aliada. Até ontem, as organizações Globo iam na contramão da meia volta editorial dos jornais paulistas no dia seguinte ao estouro do escândalo, com pedido de cautelas e dúvidas sobre a autenticidade da gravação de Joesley Batista. 

No ótimo artigo de ontem em O Globo, a colunista Miriam Leitão questionava se é possível fingir que a conversa entre o presidente Temer e o dono da JBS não aconteceu. Para Miriam, a economia “não pode dominar a cena como uma ditadora diante da qual tudo tem que ser imolado, em especial os princípios. A economia precisa de ajustes, mas não se pode fazê-los ao preço de negar os fatos”. 

Não poderia, mas é essa a âncora a que Temer se agarra após ter sido bombardeado pelas conversas nada republicanas com o empresário Joesley Batista, o delator que saiu livre, leve e solto e um bocadinho mais rico da crise que ameaçou implodir o Brasil. Temer se apresenta como o fiador das reformas trabalhista, previdenciárias e quejandos. Por enquanto se deu bem. 

Em outra frente também na segunda-feira, Temer desistiu do pedido que havia feito ao STF para suspender o inquérito aberto contra ele. O presidente percebeu a armadilha em que se meteu com o risco de ser derrotado e detonar de vez o estouro da boiada da sua base parlamentar no Congresso Nacional.  

Caso o plenário do STF acatasse o parecer do ministro Edson Fachin e mantivesse a investigação, seriam reais as chances do fim do governo. No contra-ataque, o Palácio do Planalto encomendou laudo técnico ao perito Ricardo Molina, sobre a gravação da conversa com Joesley Batista. Molina chegou à apressada conclusão de que a ‘fita’ é "prova imprestável". 

A decisão da ministra-presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármem Lúcia, de adiar para depois da análise da famosa gravação do dono da JBS a avaliação em plenário sobre a autorização da investigação do presidente deixou o governo aliviado. Ganha-se tempo para mudar o jogo. No final da noite de ontem, o jornal da TV Globo News já parecia alinhado com a tese. Se a Globo voltar atrás, como já fizeram os jornais de São Paulo, Temer tem boa chance de ir ficando. Até o próximo estouro da boiada em razão de novas denúncias. 

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar