AÉCIO VIROU A GENI DO TUCANATO

AÉCIO VIROU A GENI DO TUCANATO

Todo o PSDB, com exceção talvez, e mal contida, da secção mineira da sigla, sabe que o senador Aécio Neves…

More...
PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

Magnânimos por conveniência, Lula e Dilma dizem perdoar seus desafetos; mas quem os perdoará pelos seus muitos erros A militância…

More...
O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

Prefeito entrega defesa prévia à Câmara, que tem agora 10 dias para arquivar ou levar acusação de improbidade adiante  Quinquinha…

More...
AMIGOS-SECRETOS E OUTRAS PIADAS

AMIGOS-SECRETOS E OUTRAS PIADAS

Líder da oposição nega ter ligado para prefeito com promessa de que votaria pelo arquivamento de investigação O prefeito de…

More...
DEMOROU, MAS ERA DIA

DEMOROU, MAS ERA DIA

Câmara de Manga aceita denúncia e Quinquinha pode ser cassado por improbidade administrativa  Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br        …

More...
FALTOU PANO PRA MANGA?

FALTOU PANO PRA MANGA?

Oposição alivia para Quinquinha, o ímprobo, e Luiz do Foguete vê o cavalo para o poder passar arreado A primeira…

More...
IMPROBIDADES RECORRENTES 2

IMPROBIDADES RECORRENTES 2

Prefeito de Manga dispensa de licitação escritório que atuou na campanha eleitoral para livrá-lo da inexigibilidade O prefeito de Manga,…

More...
QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

Numa única sentença, juiz decreta duas novas perdas do cargo para prefeito de Manga >> Dispensa de licitação em contratos…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

ESTADO AUSENTE INSPIRA ANARQUIA NA BR-135

No 17 Julho 2017.

Vândalos ateiam fogo em ponte de madeira sobre o rio Carinhanha na divisa de Minas com a Bahia

Com  imagens e informações do Portal ‘Folha do Vale’

Uma ponte de madeira localizada sobre o rio Carinhanha, na divisa dos estados da Bahia com Minas Gerais, no traçado da BR-135, foi alvo de vandalismo na noite do último sábado (15). Relatos de moradores do distrito de Pitarana, em Montalvânia, no Norte de Minas, ao portal ‘Folha do Vale’, dão conta que o ato pode ter sido motivado por uma espécie de protesto contra a situação precária da velha ponte de madeira, que há muito provoca apreensão entre os motoristas que são obrigados a fazer a travessia do Rio Carinhanha, em um dos principais pontos de acesso na divisa entre Minas e Gerais e Bahia naquela região.

Segundo os motoristas que transitam todos os dias entre Montalvânia e Cocos, no Oeste da Bahia, se já era ruim, a situação agora ficou ainda pior, pois a passagem pela ponte ficou mais arriscada. Não houve até agora perícia técnica que aponte eventuais riscos de desabamento em razão dos danos na estrutura.  “Antes já estava ruim, agora está difícil passar, tem que ariscar”, disse o sitiante. De acordo com os moradores, a intenção de quem ateou fogo talvez tenha sido para pressionar o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), para liberar o transito na ponte construída há mais de quatro anos, em outro ponto do Rio Carinhanha.

Esta é a segunda vez que a ponte, bastante precária, vira motivo de revolta pelo descaso oficial. Em outubro de 2015, moradores dos municípios Montalvânia, no extremo Norte de Minas Gerais, e de Cocos, na Bahia, ameaçaram atear fogo e pôr abaixo a ponte de madeira sobre rio Carinhanha. Cansados de esperar por providências do Governo Federal e do DNIT, os usuários da travessia ameaçaram levar ao extremo a indignação com as péssimas condições de conservação da ponte, situada na localidade de Pitarana, zona rural de Montalvânia.

Na ocasião, o então presidente da Câmara de Vereadores Montalvânia ildenes Justiniano Silva (PTB) lembrou que as precárias condições da ponte "são reflexo do descaso e da omissão das autoridades federais e estaduais com a região do extremo Norte de Minas".

Dois anos depois, o problema persiste. Destruir a ponte, com o propósito de interromper definitivamente o trânsito de veículos entre Minas Gerais e Bahia por aquele acesso seria uma forma, desesperada, mas estúpida, para forçar o DNIT e o Governo Federal a tomarem providências.

Construída há décadas, a velha ponte de madeira de Pitarana está em situação precária. As tábuas do piso se soltam com facilidade sob o enorme peso de carretas e caminhões que transportam gado para frigoríficos e carvão vegetal para siderúrgicas. Não existe nenhum policiamento ou serviço de balança para controlar o peso excessivo dos veículos que passam sobre a ponte. Seus corrimãos estão quebrados em vários locais há buracos no piso que levam perigo às crianças que atravessam a ponte para estudar em Pitarana.

Ponte nova liga nada a lugar nenhum...

A pouca distância da ponte de madeira, no curso da BR-135, o Governo Federal construiu uma ponte de concreto, de 100 metros de extensão, sobre o rio Carinhanha. Cinco anos após sua conclusão, a ponte liga nada a lugar nenhum, o que revolta ainda mais os moradores e motoristas que fazem o trajeto entre Minas e Bahia pela rodovia federal. Do lado baiano da ponte de concreto, há uma propriedade rural com área irrigada por pivô central, que o Governo Federal insiste em não desapropriar e em não indenizar as quase trinta famílias que cultivam no lugar. Este ‘Em tempo Real’ apurou que a ‘nova ponte’, como é chamada, foi liberada apenas para uso da empresa Top Engenharia, de Salvador, que montou canteiro de obras na região após vencer a licitação para o asfaltamento do subtrecho do asfalto da BR-135, entre a divisa de Minas até Cocos, na Bahia, com extensão de 22,9 quilômetros. A obra, que tem custo previsto de R$ 77 milhões e deveria ter sido concluída no último mês de abril. 

O estrago provocado pelos incendiários no último final de semana foi pequeno, porque o fogo apagou não sem antes abrir um buraco na estrutura de madeira do equipamento. Ainda assim, esse episódio aponta para um estado de anarquia, resultado do descaso oficial para com aquele pedaço esquecido do país.

A anarquia, como se sabe, é o sistema político com base na negação do princípio da autoridade, e ocorre naquelas situações em que a a percepção é de que não há mais governo. Não é ainda o caso da BR-135, onde a pavimentação da rodovia federal foi retomada há pouco no trecho baiano logo após a ponte sinistrada. Mas é quase isso, porque é inadmissível expor a população que paga impostos aos riscos permanentes da velha ponte de madeira, quando, ali ao lado, há outra ponte de concreto paga com o dinheiro do contribuinte sem uso há um bom par de anos.    

Comentários  

0 #5 Marcus Vinícius Gued 18-07-2017 08:05
O povo já não aguenta mais. O estado desaparece, assim, aparece o estado paralelo.
Citar
+1 #4 Wagner Madson Carnei 17-07-2017 20:39
sempre sou contra vandalismo, considero esta anarquia necessário, pois o governo é muito omisso, agora sim tomarão uma providencia seria, chega de pagar imposto e o governo comer o dinheiro e não fazer o que precisa!! o maior culpado disto é o próprio governo.
Citar
+1 #3 Antônio Araujo 17-07-2017 19:52
Me sede um espaço aí Luis. Está todo mundo contra o fato ocorrido, mas na hora que essa ARAPUCA chamada de ponte causar uma tragédia de grande proporção e ceifar avida de uma dezena ou mais de pessoas, todos ficarão lamentando e, procurando alguém pra por a culpa.Se tivesse me chamado, talvez eu estaria preso, mas o fogo não teria apagado, ou seja não souberam por o fogo. Quanto ao dono(s) da propriedade resistir(em) e não liberar suas terras, na minha opinião ele está 100% correto.Será se o(s) procuraram na hora de executar o projeto da obra? Quanto lhe(s) ofertaram em indenizações das perdas que ele(s) vai(ão) ter(em)? Cadê as malas de dinheiro de propinas que circulam livremente por aeroportos, gabinetes,pizarias, estacionamentos etc,etc...? Não sobrou nada da ROUBALHEIRA para indenizar(em) este(s) senhores? A culpa de tudo isso sabe de quem? Dos nossos políticos, que são na minha opinião; omissos, corruptos, ....Vergonha!!!!!!!!!!!
Citar
0 #2 Orlando Oliveira 17-07-2017 15:48
Totalmente errado quem causou isso.....mais Vandalismo maior é o desprezo do estado com as pessoas trabalhadoras q utilizam essa ""meia""ponte.


VIA FACEBOOK
Citar
+1 #1 Pecê Almeida Jr. 17-07-2017 15:47
Passou da hora. Passo por essa ponte pelo menos duas vezes por mês. A ponte de concreto está pronta há muitos anos e já liga com o início da obra de terraplanagem no trecho baiano da BR-135, obra que aliás está a todo vapor, em ritmo acelerado. Mas o proprietário da fazenda que faz limite com a ponte de concreto não aceita que parte de suas terras seja desapropriada pelo governo. O governo está tentando de tudo para fazer que a ponte de concreto seja usada, Prefeitura de Cocos idem, Prefeitura de Montalvânia ibidem. A resistência é toda do fazendeiro. E há um receio dos órgãos de governo em levar o assunto até a Justiça, já que isso demoraria ainda mais a resolução. Estão, neste momento, todos, à exceção do "dono da ponte", ainda, tentando uma solução pacífica. Acho um absurdo essa situação, já que o interesse público deve falar mais alto.
Citar

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar