NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
OUTRA OPINIAO

OUTRA OPINIAO

 Lamento de um bom homem em defesa do seu semelhante  Por Sandro Tótola (*) Vivemos tempos sombrios, tempos rudes, tempos…

More...
PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

Magnânimos por conveniência, Lula e Dilma dizem perdoar seus desafetos; mas quem os perdoará pelos seus muitos erros A militância…

More...
O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

Prefeito entrega defesa prévia à Câmara, que tem agora 10 dias para arquivar ou levar acusação de improbidade adiante  Quinquinha…

More...
DEMOROU, MAS ERA DIA

DEMOROU, MAS ERA DIA

Câmara de Manga aceita denúncia e Quinquinha pode ser cassado por improbidade administrativa  Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br        …

More...
FALTOU PANO PRA MANGA?

FALTOU PANO PRA MANGA?

Oposição alivia para Quinquinha, o ímprobo, e Luiz do Foguete vê o cavalo para o poder passar arreado A primeira…

More...
IMPROBIDADES RECORRENTES 2

IMPROBIDADES RECORRENTES 2

Prefeito de Manga dispensa de licitação escritório que atuou na campanha eleitoral para livrá-lo da inexigibilidade O prefeito de Manga,…

More...
QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

Numa única sentença, juiz decreta duas novas perdas do cargo para prefeito de Manga >> Dispensa de licitação em contratos…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

NADA É DE GRAÇA...

No 20 Agosto 2017.

Houve muita grita quando os deputados informaram ao distinto público sobre a proposta de criação de um fundo com valor previsto em R$ 3,6 bilhões para financiar as campanhas eleitorais no próximo ano. Pela regra, ainda em debate no Congresso Nacional, doravante o país teria o tão falado financiamento público das eleições.

Veio depois uma vigorosa rejeição à ideia. Vamos combinar que o atual Congresso tem credibilidade zero junto ao eleitorado, dado o imenso histórico de picaretagens e roubalheiras no financiamento de campanhas que a operação Lava Jato trouxe à luz do sol.

Ainda assim, penso que a questão é um pouco mais complicada. Desde que o Supremo Tribunal Federal proibiu o financiamento empresarial das eleições no país, surgiu o problema óbvio sobre como financiar as campanhas eleitorais. A conta de uma maneira ou de outra, claro, vai sempre para o bolso do povo. 

O que se debate é uma forma de evitar que empreiteiros malandros continuem comprando políticos aos magotes, no que deformam nossa ainda irregular norma democrática. Estão bem fresquinhas as notícias de como os donos da OAS, Odebrecht, JBS e quejandos compraram decisões congressuais e até atos presidenciais – tudo em nome do financiamento eleitoral.

Nada vem de graça. Nem o voto nem a cachaça, com licença da paráfrase que faço a Zeca Baleiro. Numa frase: não tem almoço grátis. Talvez fosse melhor se criar mesmo o tal fundo de R$ 3,6 bilhões, desde que se extirpasse esse mal que arruinou o país com a xepa de políticos de praticamente todos os partidos e matizes.

As eleições para prefeito de 2016 não receberam aporte de empreiteiros – pelo menos não oficialmente, mas todo mundo sabe que o caixa dois e três não desaparece assim da noite para o dia.

Eleições tem custo, por óbvio. As reações indignadas de analistas disso e daquilo que ecoaram na imprensa nas últimas semanas são desconhecimento de causa ou má fé pura e simples. Não há almoço grátis. Tivesse algum tipo de moral para mudar o quadro geral de falta de vergonha e fé no país, os deputados teriam proposto mudança efetiva no jogo. Não é a crença em um país melhor que move essa gente.

Eles estão preocupados unicamente em garantir os meios para preservar sua permanência no Parlamento. Como nada no país é sério, o que se propõe são remendos de ocasião, como essa mudança para o chamado 'distritão', em que os caciques partidários e pessoas conhecidas, dessas que estão na mídia a todo momento, teriam larga vantagem sobre quem apenas quer exercer a política com 'p'.

Ou mesmo o tal 'semidistritão', que não existe em nenhum lugar do mundo e que seria um híbrido da eleição dos mais votados e o voto de legenda. Para resumir: pura conversa para boi dormir, com o objetivo de manter quem detém mandato na vida boa dos seus cargos. 

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar