AÉCIO VIROU A GENI DO TUCANATO

AÉCIO VIROU A GENI DO TUCANATO

Todo o PSDB, com exceção talvez, e mal contida, da secção mineira da sigla, sabe que o senador Aécio Neves…

More...
PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

Magnânimos por conveniência, Lula e Dilma dizem perdoar seus desafetos; mas quem os perdoará pelos seus muitos erros A militância…

More...
O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

Prefeito entrega defesa prévia à Câmara, que tem agora 10 dias para arquivar ou levar acusação de improbidade adiante  Quinquinha…

More...
AMIGOS-SECRETOS E OUTRAS PIADAS

AMIGOS-SECRETOS E OUTRAS PIADAS

Líder da oposição nega ter ligado para prefeito com promessa de que votaria pelo arquivamento de investigação O prefeito de…

More...
DEMOROU, MAS ERA DIA

DEMOROU, MAS ERA DIA

Câmara de Manga aceita denúncia e Quinquinha pode ser cassado por improbidade administrativa  Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br        …

More...
FALTOU PANO PRA MANGA?

FALTOU PANO PRA MANGA?

Oposição alivia para Quinquinha, o ímprobo, e Luiz do Foguete vê o cavalo para o poder passar arreado A primeira…

More...
IMPROBIDADES RECORRENTES 2

IMPROBIDADES RECORRENTES 2

Prefeito de Manga dispensa de licitação escritório que atuou na campanha eleitoral para livrá-lo da inexigibilidade O prefeito de Manga,…

More...
QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

Numa única sentença, juiz decreta duas novas perdas do cargo para prefeito de Manga >> Dispensa de licitação em contratos…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

OUTRO FRACASSO À BRASILEIRA

No 29 Agosto 2017.

Volta e meia os brasileiros vivemos a ilusão de que nosso país vai finalmente encontrar o destino histórico a que, por alguma graça divina, estaria predestinado. Foi assim com a promessa da redemocratização, lá nos idos dos anos 1980, onda entusiasta que se repetiu via imprensa na década seguinte, com o fim do ciclo inflacionário. O Plano Real acabou com a ‘inflação galopante’, aquela que tanto mal fizera às parcelas mais pobres da população. Mas inflação alta, claro, não era ruim de todo – especialmente para a turma que apostava na ciranda financeira do país com os juros mais altos do mundo.

Em período mais recente, a operação Lava Jato prometia ser a panaceia da vez, a porção milagrosa que finalmente nos redimiria a todos – com o prêmio extra de mandar para a cadeia os figurões responsáveis pela corrupção que contaminou as estruturas do setor público com o vírus da corrupção de alto a baixo.

A Lava Jato, segundo os entendidos, tem sido o fato mais importante em 500 anos de história pátria – o momento em que, enfim, a Nação faria a guinada em direção à terra prometida de mais igualdade e justiça.

Não é nada, não é nada vai ficando mais ou menos claro que a mani pulite de gente como o juiz federal Sérgio Moro e outros paladinos dos bons costumes na lida com a coisa pública também tem seus limites. A esperada reação contra a Lava Jato se fez mais clara quando a limpeza dos costumes nacionais bateu nos costados de gente poderosa, casos da cacicaria do PMDB e do PSDB, entre eles o notório e insepulto cadáver político do senador Aécio Neves e suas inconfidências mineiras daquele bate-papo com os goianos da JBS.

Por falta de provas, seja por delações que não entregaram o prometido ou resultado de processos mal conduzidos, gente como o próprio Aécio, Jarbas Vasconcelos, Valdir Raupp, José Sarney, Paulo Hartung, Dilma Rousseff, Marta Suplicy, Fernando Pimentel, entre outros, deixarão de prestar contas dos seus malfeitos.

Os movimentos para barrar a Lava Jato repetem por aqui o que já acontecera na Itália, com a operação Mãos Limpas, ou Mani Puliti. Gente graúda articula nas sombras a reação, parte dela via Congresso, para impedir o avanço da Lava Jato, em óbvia contraofensiva às investidas do Judiciário sobre a classe política.

O parlamento cozinha em fogo brando algumas reformas emergenciais para tornar sem efeito as investigações em curso – entre elas os freios legislativos com previsão de punição para casos de abuso de autoridade, com foco no Ministério Público e juízes. Noutra frente, deputados e senadores tentam aprovar a reforma política que simplifica os caminhos da reeleição – como estratégia para garantir o foro privilegiado.

A Lava Jato pode ser mais um rio que passou em nossas vidas, sem, no entanto, cumprir suas promessas de tempo novo. A operação foi o melhor que já tivemos em 130 anos de República, mas é inegável que, em parte, é também responsável pela paralisia que tomou conta da economia e provoca um inédito processo de empobrecimento do país, com reflexos nesses 14 milhões de empregos perdidos – parte deles, claro, jamais será recuperada.

Seria o preço a pagar... 

... caso o país tivesse expurgado do seu cotidiano essa elite política e o capitalismo de compadrio que provocou a metástase que se espalhou pelas maquinas públicas país afora. Não tenha dúvida, caro leitor, a corrupção chegou às prefeituras e câmaras municipais dos mais remotos municípios do país.

A operação Lava Jato veio a lume para expor ao país as práticas pouco republicanas do lulopetismo, mas descobriu algo muito maior, com a revelação de que toda a estrutura política estava apodrecida. E aqui chegamos ao ponto de inflexão. A mais duradoura e barulhenta tentativa de passar o país a limpo começa a perder força – inclusive com a ajuda de gente poderosa dentro do próprio Judiciário. Como está mais ou menos explícito, o país não ficou melhor. O que há é um esgarçamento da cidadania, como bem o demonstra a solidão das ruas.

O senador Romero Jucá, tantas vezes indiciado já previra esse desfecho lá atrás, quando sugeriu que a chegada de Michel Temer à Presidência da República colocaria ponto final no avanço da Lava Jato. Aos vencedores, as bravatas. Força e fé, brava gente brasileira.  

Comentários  

0 #1 pe di cabrya 29-08-2017 19:15
... estão todos juntos.
Citar

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar