UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

O ao letivo nem começou e os servidores da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) estão novamente em greve, na repetitiva e…

More...
HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

Chega ao fim à meia-noite do próximo sábado (17) o horário de verão em vigor desde outubro passado, quando os…

More...
PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

A Agência Nacional de Telecomunicações divulgou comunicado nesta segunda-feira (29) com a informação de que foram adicionados ao sistema 1,91…

More...
TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

Crise e mobilidade leva país a perder 1,2 milhão de linhas de telefone fixo  em 2017 [Com Agência Brasil] -…

More...
 PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

O governador de Minas, Fernando Pimentel, vai lidando como pode com a insatisfação dos prefeitos após a repetição dos atrasos…

More...
APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

Prefeito tem prazo de cinco dias para apresentar alegações finais, mas recusa em prestar depoimento indica que optou por judicializar…

More...
NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

MIRAVÂNIA: BILA TEM PRIMEIRA CONDENAÇÃO

No 04 Outubro 2017.

Ex-prefeito perde direitos políticos por três anos por não prestar contas de convênio com governo estadual 

O ex-prefeito de Miravânia, Elpídio Gomes Dourado, o Bila (PP), foi condenado em decisão monocrática à perda dos direitos políticos pelo prazo de três anos, além da devolução de valores correspondente ao percentual de 20% do valor de um convênio que sua administração firmou com a Secretaria de Estado Transportes e Obras Públicas (Setop), no ano de 2016, nova valor de R$ 116.723,58.  

A sentença, da sexta-feira (29/9), é da lavra do juiz João Carneiro Duarte Neto, titular da 2ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Manga, em processo de ação civil pública por improbidade administrativa de autoria do município de Miravânia.

A condenação pode mudar os planos do ex-prefeito Bila, que governou Miravânia por oito anos consecutivos (2005/2012), e tem planos de voltar ao cargo daqui a três anos, quando acontece a nova rodada de eleições municipais. O prefeito só fica de fora das eleições, contudo, se a decisão desta semana for confirmada em colegiado de segunda instância.

Para defesa, prefeitos estão fora do alcance da Lei de Improbidade

Em sua defesa, o ex-prefeito alegou inépcia da ação civil pública e que teria feito a prestação de contas relativa ao convênio com a Setop e que o fato não gerou prejuízos ao erário, além de apelar ao argumento de inconstitucionalidade da lei de improbidade administrativa (LIA), que não teria efeito sobre atos de agentes políticos – que seriam imunes aos seus efeitos, a pedra angular da defesa de todo prefeito corrupto.

O juiz João Carneiro rechaçou as alegações dos advogados de Bila, mas concordou que não houve danos financeiros ao município de Miravânia, já que a acusação não teria conseguido demonstrar enriquecimento ilícito em favor do ex-prefeito.

Ao analisar os autos, o juiz diz ter chegado à conclusão que houve conduta ímproba por Bila teria “retardado indevidamente a apresentação dos documentos indispensáveis à aprovação das contas referentes ao convênio 128/2006”, bem como não ter deixado na prefeitura, após deixar o cargo, qualquer registro que pudesse facilitar o saneamento das irregularidades apontadas pelo seu sucessor e atual prefeito, Raimundo Luna (PFL). O ex-prefeito não foi localizado para comentar o assunto. 

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar