NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
OUTRA OPINIAO

OUTRA OPINIAO

 Lamento de um bom homem em defesa do seu semelhante  Por Sandro Tótola (*) Vivemos tempos sombrios, tempos rudes, tempos…

More...
PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

PERDOAI-OS, MESMO SABENDO O QUE QUEREM

Magnânimos por conveniência, Lula e Dilma dizem perdoar seus desafetos; mas quem os perdoará pelos seus muitos erros A militância…

More...
O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

Prefeito entrega defesa prévia à Câmara, que tem agora 10 dias para arquivar ou levar acusação de improbidade adiante  Quinquinha…

More...
DEMOROU, MAS ERA DIA

DEMOROU, MAS ERA DIA

Câmara de Manga aceita denúncia e Quinquinha pode ser cassado por improbidade administrativa  Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br        …

More...
FALTOU PANO PRA MANGA?

FALTOU PANO PRA MANGA?

Oposição alivia para Quinquinha, o ímprobo, e Luiz do Foguete vê o cavalo para o poder passar arreado A primeira…

More...
IMPROBIDADES RECORRENTES 2

IMPROBIDADES RECORRENTES 2

Prefeito de Manga dispensa de licitação escritório que atuou na campanha eleitoral para livrá-lo da inexigibilidade O prefeito de Manga,…

More...
QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

QUINQUINHA TEM DUAS NOVAS CONDENAÇÕES POR IMPROBIDADE

Numa única sentença, juiz decreta duas novas perdas do cargo para prefeito de Manga >> Dispensa de licitação em contratos…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

AMIGOS-SECRETOS E OUTRAS PIADAS

No 13 Novembro 2017.

Líder da oposição nega ter ligado para prefeito com promessa de que votaria pelo arquivamento de investigação

O prefeito de Manga, Quinquinha de Quinca de Otílio, o Joaquim de Oliveira Sá Filho (PPS), ao fundo na foto ao lado, está com tudo e não está prosa ao dar de barato que vai conseguir arquivar a investigação que enfrenta na Câmara de Vereadores local, onde uma comissão processante foi instalada para apurar denúncia de suposta improbidade administrativa na contratação do escritório de advocacia Menezes & Associados, de Montes Claros, ao custo de R$ 65 mil para um período de nove meses, em fevereiro deste ano.

Não se pode negar ao prefeito o direito natural e instintivo de tentar salvar o próprio pescoço e evitar ser catapultado do cargo para o qual só foi eleito após quebrar muitas lanças e alguns cifrões - não custa lembrar que ele teve o registro indeferido e passou todo o processo eleitoral do ano passado na condição de sub-judice. É do jogo que ele tente, com as armas que tem em mãos, evitar ir à guilhotina (em sentido retórico, senhores, façam o favor) por força da maioria oposicionista na Câmara de Vereadores. A estratégia que o prefeito adotou, no entanto, beira ao puro escárnio com o princípio da independência que rege - ou pelo menos deveria reger - o relacionamento institucional entre os poderes.

Leia também:


QUINQUINHA TEM AMIGO-SECRETO NA CÂMARA?

Informações vindas de gente muito próxima a Quinquinha dá como certo o arquivamento da denúncia antes do Natal. Um de seus assessores para assuntos de estratégia política, o advogado Hélder Mota tira o sarro da situação ao difundir a tese, lá do seu jeito brincalhão, de que haveria disputa ferrenha entre os seis vereadores da oposição, os mesmos que acolheram a denúncia contra o prefeito, para agora enterrá-la o quanto antes. Interessa ao prefeito espalhar a cizânia e provocar certo bate-cabeças entre seus adversários na Câmara.

Mas não passa disso, porque a estratégia não tem acento em fatos irreais e não consegue reverter um dado concreto: o prefeito ainda não tem apoio na Casa Legislativa para barrar a investigação. Se vai conseguir, são outros quinhentos. Ele precisa converter apenas um de seus atuais adversários em plenário.   

Um dos vereadores citados como vira-casaca é Anderson Cezar Ramos, o Son Nogueira (PSB), em primeiro plano na imagem lá do alto. Nogueira nega peremptoriamente ter feito qualquer contato com o prefeito e descarta qualquer especulação de que seria ele o amigo-secreto que vai ajudar o prefeito a melar a investigação em curso  na Câmara.

“Nunca existiu telefonema nenhum. Vão disseminar muitas mentiras. Mas meu voto pela cassação é certo”, diz Son Nogueira, que, sem entrar em detalhes, não esconde o desconforto que haveria entre os grupos políticos que formam a atual oposição no município.

Maledicências...

É com base em suposto desentendimento entre Nogueira e o deputado Paulo Guedes (PT), o cacique político do grupo atualmente na oposição local, que Quinquinha aposta para jogar no ar os dardos maledicentes que poderiam dividir a maioria que lhe faz oposição na Câmara de Vereadores. Ainda segundo Hélder Mota, até mesmo o presidente da comissão especial criada pela Câmara para conduzir a comissão processante, o vereador Bento Ferreira Gonçalves (PR), teria sinalizado interesse em preparar o enterro da comissão processante. Não há evidências de que isso tenha acontecido e caberia ao prefeito e seu entorno provar a acusação, que é grave. 

Decerto que o advogado Mota contribui para deixar o insípido entorno do prefeito Quinquinha mais leve e menos cinzento com suas tiradas jocosas. Ele se jacta de que o prefeito praticamente se mudou para sua casa, em referência aos churrascos e jantares de que participa por lá. Mas a estratégia de dividir opositores por meio de piadas é insana, por atribuir a quem talvez não faça jus o papel de traidor.

De concreto, o prefeito ainda não tem os votos que precisa para permanecer no cargo a partir de janeiro. Se vai conseguir virar o jogo, só o tempo dirá. Por enquanto, ele precisa construir argumentos sólidos para convencer o plenário da Câmara de que não reincidiu em prática criminosa de improbidade administrativa ao contratar sem licitação o escritório do advogado Farley Menezes, que, até aqui, foi o pivô de duas das três condenações judiciais ainda em aberto contra seu atual mandato. Quinquinha e Farley já haviam sido condenados, no final de 2012, a devolverem R$ 57 mil de outro contrato considerado irregular também por dispensa de licitação.    

Procurados por e-mail para comentar o assunto, o prefeito e sua assessoria não responderam até a publicação deste post.

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar