UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

UNIMONTES PARA POR CONTA DE BAIXO SALÁRIO

O ao letivo nem começou e os servidores da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) estão novamente em greve, na repetitiva e…

More...
HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

Chega ao fim à meia-noite do próximo sábado (17) o horário de verão em vigor desde outubro passado, quando os…

More...
PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

A Agência Nacional de Telecomunicações divulgou comunicado nesta segunda-feira (29) com a informação de que foram adicionados ao sistema 1,91…

More...
TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

TELEFONE FIXO A CAMINHO DO MUSEU

Crise e mobilidade leva país a perder 1,2 milhão de linhas de telefone fixo  em 2017 [Com Agência Brasil] -…

More...
 PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

PREFEITOS EM PÉ DE GUERRA COM PIMENTEL

O governador de Minas, Fernando Pimentel, vai lidando como pode com a insatisfação dos prefeitos após a repetição dos atrasos…

More...
APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

Prefeito tem prazo de cinco dias para apresentar alegações finais, mas recusa em prestar depoimento indica que optou por judicializar…

More...
NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

ÁGUA NO PORÃO DO TITANIC

No 24 Novembro 2017.

Relatório da comissão processante indica continuidade da investigação contra Quinquinha 

[ATUALIZADO, 25/11/2017] - Aumenta a tensão nos corredores da Prefeitura de Manga à medida que se aproxima a reta final dos trabalhos da comissão processante instalada pela da Câmara de Vereadores local para apurar denúncia de suposta prática de improbidade administrativa do prefeito Quinquinha de Quinca de Otílio, o Joaquim Oliveira Sá Filho (PPS), na contratação do escritório de advocacia Menezes & Consultores Associados ao custo de R$ 65 mil ao longo deste ano.

Segundo uma fonte que atravessa com frequência os corredores em formato de cruz do Paço Municipal, o clima por lá é de preocupação muito mal dissimulada. Volta e meia, um dos mais de 100 servidores comissionados interpelam o advogado Fábio Oliva, responsável pela defesa de cerca de 8.000 páginas que o prefeito encaminhou à Câmara, ou mesmo o líder do prefeito na Câmara e membro da comissão processante, vereador Evilásio Amaro (PPS), na tentativa de mitigar a ansiedade que vai tomando conta do ambiente.

Amaro e Oliva são, até aqui, os ponta de lança da defesa no Legislativo. O vereador, por sinal, foi laborioso na tentativa de obstruir os trabalhos da comissão. É nos dois, Oliva e Amaro, que se concentram as esperanças de Quinquinha e seus comissionados de barrar a denúncia com seu envio aos arquivos da Câmara.    

A turma teme ficar desempregada no raiar do Ano Novo, caso a Câmara Municipal venha mesmo a cassar o mandato de Quinquinha até o prazo final da comissão processante, que deve concluir a investigação ali pela semana do Natal. Há até mesmo casos de pessoas que comprometeram parcela dos seus vencimentos com empréstimos com garantia dos salários e que estão preocupadas com o futuro próximo e com a segurança financeira em caso de revés do prefeito no enfrentamento da denúncia - ele tem apenas três dos noves vereadores aptos a votar pela sua cassação.

A Casa começa a instrução do processo na próxima segunda-feira (27), com a oitiva de Quinquinha, mas o entorno do gabinete do prefeito tenta acalmar os ânimos dos ansiosos comissionados com o discurso de que a investigação não vai dar em nada. A estratégia tem sido desqualificar o trabalho dos integrantes da comissão processante.

Provocações

Para a tropa de choque de Quinquinha, os vereadores Bento Ferreira Gonçalves (PR), presidente da comissão, e Israel Jarbas Pimenta, o Bio (PSB), não teriam preparo para conduzir a investigação e apenas seguem o script determinado pelos advogados que assessoram os trabalhos da CP. “Você acha que Bento tem capacidade para cassar um prefeito honesto igual o nosso”, provoca um dos escudeiros de Quinquinha, em 'off' para o site. O próprio Evilásio Amaro, único representante governista na comissão faz questão de provocar o colega Bento, com insinuações de que ele apenas desempenha o papel que a assessoria jurídica da Casa lhe indica.    

Embora mande avisar ao distinto público que está dando risadas sobre o futuro da comissão, o prefeito é quem mais tem a perder caso a Câmara antecipe o final do seu mandato. Vai ser obrigado a abrir mais uma frente de judicialização da política local, de resultado sempre incerto, além de passar pelo vexame de ceder a cadeira pela qual demonstra tanto apego ao vice-prefeito, Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz do Foguete (PRB), que sonha com o cargo, mas tem evitado colocar fogo na pólvora para chegar lá.

Quinquinha sabe que corre o risco do Fogueteiro tomar gosto pela decoração do gabinete e se tornar um obstáculo na sua tentativa de reaver o mandato em caso de afastamento. O nível da fervura deve esquentar na próxima semana, quando vem a público o teor do relatório da comissão processante, com data de 17 de novembro, em que se recomenda a continuidade da investigação contra o prefeito - embora faça a ressalva de que não concluiu, com os elementos que avaliou, se se o prefeito violou os princípios da moralidade na coisa pública ao contratar o escritório Menezes & Associados com dispensa de licitação.      

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar