APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

APÓS NOVO W.O DE QUINQUINHA, COMISSÃO PROCESSANTE ENCERRA FASE DE INSTRUÇÃO

Prefeito tem prazo de cinco dias para apresentar alegações finais, mas recusa em prestar depoimento indica que optou por judicializar…

More...
QUINQUINHA IGNORA VEREADOR E JUDICIÁRIO

QUINQUINHA IGNORA VEREADOR E JUDICIÁRIO

Condenado na Justiça e investigado pela Câmara, prefeito ainda paga escritório de advocacia 'pivô' dos processos e contrata mais duas…

More...
QUINQUINHA E ARLEN ATOLADOS NA BR-135

QUINQUINHA E ARLEN ATOLADOS NA BR-135

Aliados, prefeito e deputado ‘compram’ causa do asfalto da rodovia e outra vez frustram sonho da população  Imagens das visitas…

More...
AÇÃO ENTRE AMIGOS

AÇÃO ENTRE AMIGOS

Câmaras de vereadores devolvem sobra de orçamento a prefeitos aliados Imagem: alternativafm.com A quebradeira geral que toma conta do setor…

More...
PREFEITO DEMITE 100 PRÓXIMO AO NATAL

PREFEITO DEMITE 100 PRÓXIMO AO NATAL

Quinquinha alega falta de recursos para justificar demissão coletiva, que ajudaria a fechar a folha de dezembro Um presente de…

More...
NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

NA DEFESA, QUINQUINHA PARTE PARA O ATAQUE

Prefeito alega fraude em votação e suspeição de vereadora entre argumentos para barrar denúncia de improbidade  Volumes com as cerca…

More...
O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

O JUS SPERNEANDI DE QUINQUINHA

Prefeito entrega defesa prévia à Câmara, que tem agora 10 dias para arquivar ou levar acusação de improbidade adiante  Quinquinha…

More...
DEMOROU, MAS ERA DIA

DEMOROU, MAS ERA DIA

Câmara de Manga aceita denúncia e Quinquinha pode ser cassado por improbidade administrativa  Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br        …

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2012 JoomlaWorks Ltd.
Imprimir

CP ACHA PREFEITO, QUE RECUSA NOTIFICAÇÃO

No 08 Janeiro 2018.

O prefeito de Manga, Quinquinha de Quinca de Otílio (PPS), foi informado pessoalmente sobre a sessão da comissão processante (CP) da Câmara de Vereadores de Manga, designada para esta terça-feira (9/1), ocasião em que ele e suas testemunhas deverão ser ouvidos no escopo do processo que investiga denúncia de supostos danos à moralidade pública previsto na Lei de Improbidade em contrato de R$ 65 mil firmado entre o município e o escritório Menezes & Advogados Associados, de Montes Claros, com dispensa de licitação.

Quinquinha foi localizado por vereadores e servidores da Câmara Municipal na noite do sábado, quando pousava como convidado de honra na festa de casamento de uma funcionária pública na comunidade rural de Caiúbas, próximo à divisa com o município de Juvenília. 

Abordado pelos vereadores, o prefeito se recusou a assinar a notificação com a alegação de que estaria disponível para recebê-la oficialmente nesta segunda-feira (8), em seu gabinete no paço municipal. Quinquinha, que não chegou a engasgar com a coxa de frango caipira que esperava saborear nas nupciais, deixou rapidamente o local, para espanto dos seus anfitriões, em busca de sinal de telefonia celular para pedir socorro para um dos seus inúmeros advogados. 

Termo circunstanciado

A legislação que trata do funcionamento da comissão processante prevê a notificação em caráter pessoal. Diante da recusa do prefeito em assinar a intimidação para comparecer à oitiva da Câmara, foi lavrado uma de termo circunstanciado em que se narra todo o episódio, com a validação de testemunhas presentes.

Esse documento deve servir de lastro para que a sessão da CP aconteça nesta terça-feira, após ser ameaçada de cancelamento em razão das dificuldades em localizar o prefeito Quinquinha. O prefeito e seu advogado chegaram a ser considerados 'evadidos' da cidade e região, conforme o site mostrou na matéria abaixo.  


Para saber mais sobre o assunto deste post, clique no link abaixo: 

PARA CP, QUINQUINHA E OLIVA ESTÃO 'EVADIDOS'

 

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar