logo 20182

HORA DA DESFORRA

Ligado .

Anastácio fecha prefeitura, decreta emergência por quatro meses e manda auditar contratos do antecessor

MOSAICOTSS.jpg - 138,25 kB

Mosaico com imagens da campanha do prefeito Anastácio: devassa nas contas do antecessor

Em decreto de três páginas carregado de muitos “considerandos”, o prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT), sinalizou para o que promete ser uma devassa nas contas do seu antecessor, o prefeito Ficha Suja. O petista instaurou uma comissão para auditar os contratos e convênios da gestão anterior.  

O movimento contrasta com o clima “paz e amor” da recente campanha eleitoral, quando o petista se negou a entrar na guerra de judicialização ensaiada pelo agora ex-prefeito e então candidato à reeleição.

O atual prefeito e o anterior, por sinal, acabaram de se encontrar na tarde desta quarta-feira (13) durante o evento para a eleição da mesa diretora do Consórcio Intermunicipal de Saúde Micro Região Manga (Cismma). Anastácio foi eleito para presidir pelos próximos dois anos a entidade que reúne quatro municípios. O Cismma, basicamente, transporta pacientes dos seus municípios de origem para atendimentos de urgências médicas em outras cidades. 

MANDA UM ZAP 

De volta ao nosso tema, Anastácio decidiu suspender o atendimento ao público no prédio da Prefeitura pelo prazo de 30 dias e determinou a criação, na terça-feira (12), de auditoria interna na Prefeitura de Manga para levantamento de informações. O atendimento fica mantido nas secretarias e departamentos.

Quem precisar de atendimento no setor de tributos, que funciona na sede, vai ter que agendar o serviço por meio telefônico ou na página do município na internet ou ainda na recepção da sede administrativa seguindo as recomendações sanitárias e ainda fazendo uso de máscara e mantendo o distanciamento.

“A medida visa a garantir a proteção do interesse público e a realização de procedimentos próprios de auditoria nos contratos firmados pelo município”, diz uma nota publicada no site oficial. Contratos firmados pelo antecessor, o prefeito Ficha Suja, vale a ressalva.

COMISSOAUDIT.jpg - 71,48 kBPrimeira reunião da comissão de auditoria: revisão de contratos e convênios  

Para justificar a medida, Guedes argumenta que a gestão anterior se recusou a cumprir o rito da transição entre o governo que sai e o que entra. O prefeito diz que não recebeu informações sobre “a real situação das contas do município” - o que agora só será possível saber com a realização dessa auditoria.

Um representante do escritório Sérgio Bassi & Auditores e Consultores Associados, de Belo Horizonte, participou de reunião na última terça-feira com a comissão de auditoria criada por Anastácio. Segundo uma fonte, há a possibilidade dessa empresa ser contratada para ajudar no levantamento dos atos da gestão passada.

QUEM PROCURA ACHA

Ao mexer nas gavetas deixadas pelo prefeito Ficha Suja, a comissão teria notado o que chama de ‘excessos de pagamentos’ autorizados no ano final do mandato do prefeito anterior para uma empresa que já está sendo classificada como de “fundo de quintal” em razão do pequeno porte e a suposta falta de estrutura para assumir contratos com o município.

Fac-símile da primeira de três páginas do decreto em que o prefeito fecha o Paço, cria auditoria e decreta emergência 

 

Essa empresa, segundo uma fonte, não teria funcionários em sua folha de pagamentos e funciona no endereço residencial do seu proprietário - uma espécie agenciador para a prestação de pequenos serviços no município via contratos indiretos de trabalho.

Foram detectados, até aqui, empenhos que autorizam a quitação de serviços de limpeza de vias públicas e até poda de árvores em comunidades rurais. A auditoria deve olhar esses contratos com lupa em busca de eventuais irregularidades.    

CAOS

O decreto também institui o estado de emergência no município. Assinado pelo prefeito e pelo secretário de Governo, José Magalhães Chaves Júnior, o documento carrega nas tintas ao falar em “caos administrativo" e no desconhecimento de dados essenciais para tocar o dia a dia do município em razão da recusa do ex-prefeito em fazer a transição.

|||||||||||||||||||||||||||||||||||||
LEIA TAMBÉM: 

ANASTÁCIO SEM GPS
Sem o desejável rito da transição entre o governo que já vai tarde e o que começa, eleito não sabe se terá recursos para bancar compromissos 
|||||||||||||||||||||||||||||||||||||

A atual administração alega que enviou um ofício no dia 8 de dezembro, quando indicou os nomes para a transição. Esse ofício não teve respostas, mas a gestão anterior fez um arremedo de transição ao esperar o então prefeito eleito na porta da Prefeitura na manhã do dia 1º de janeiro, quando aconteceu uma rápida cerimônia para a entrega das chaves.

ENTENDA O BASTIDOR

Não chega a ser surpresa o gesto do prefeito Anastácio em vasculhar os atos da administração passada. O pano de fundo para esse clima investigativo se arrasta desde o ano de 2007, quando o ex-prefeito Ficha Suja chegou ao poder na condição de vice e beneficiado pelo impeachment do então prefeito Humberto Salles.

Desde então, Anastácio e o prefeito Ficha Suja se alternam no poder com a troca de acusações e o recurso à arena do Judiciário para troca de acusações mútuas. Essa escalada de processos judiciais, por sinal, descambou para o status de prefeito condenado pelo crime de improbidade que o antecessor de Anastácio carrega no currículo.

Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar