logo 20182

ANTES TARDE DEMAIS QUE NUNCA MAIS

Ligado .

Após Arlen frustrar inclusão do asfalto entre Manga e Itacarambi no plano viário do governo de Minas, Centrão corre atrás do prejuízo e tenta cavar verba no orçamento federal  Soldadesca do Centrão mineiro ao lado do ministro Tarcísio Freitas: promessa de um asfalto que nunca sai. Sairá agora?

Como é do conhecimento dos meus antenados quatro leitores, o bloco de partidos que sustentam essa tragédia de incompetência e descalabros que atende pelo nome de governo Bolsonaro deu início à batalha final para derrubar o ministro Paulo Guedes (Economia).

O ex-Posto Ipiranga de Jair Bolsonaro, que chegou a Brasília arrotando bacaba, hoje fala fino diante de um Centrão cada vez mais à vontade em postos-chaves do governo. A briga da vez é se dá no apetite do novos sócios do poder pelas emendas parlamentares.

O ministro Guedes tomou uma rasteira das raposas velhas do Congresso Nacional e ameaça pela enésima vez deixar o governo. Bolsonaro, que só pensa na eleição de 2022, já sinalizou que o Posto Ipiranga deve ir, e que já vai tarde, muito tarde. A porta do Palácio é a serventia do inservível governo.

A parceria de Bolsonaro com o Centrão, sob os auspícios dos ministros Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), busca um calendário mínimo de obras para dar sequência à campanha permanente do presidente em busca da reeleição - cada vez mais improvável para um governo que derrete em meio a má gestão da pandemia e de todo o resto.

SAI DA FRENTE

Guedes, claro, é um obstáculo à empreitada, ao sugerir contenção de despesas e um mínimo de coerência fiscal no que resta da bagunça em que se transformou o governo. Os nomes o ministro da Economia são discutidos abertamente, sem o menor resquício de pudor ante um aliado tão importante no diálogo do bolsonarismo com o tal mercado.

O ministro enfrenta mais uma de muitas humilhações e a tudo suporta calado. Por quê? Porque foi para o governo para leiloar o país. Queria vender tudo, arrecadar um trilhão de reais apenas no primeiro ano da gestão, mas, até agora, nada entregou. A não ser uns trocados que valem pouco. 

E aqui chegamos à BR-135 entre Manga e Itacarambi. Há alguns dias o senador Carlos Viana (PSD) espalhou vídeo via redes sociais para garantir que o asfalto da estrada federal no extremo norte-mineiro vai sair. Não diz quando - nem como -, mas é certo que conta com o arrebenta-geral no orçamento 2021 planejado pelo Centrão para cumprir a promessa. A campanha eleitoral, nunca é demais recordar, já começou.

Viana não será candidato em 2022, pois tem mandato garantido por mais cinco anos, mas precisa ajudar deputados aliados que estão por um fio - refiro-me aqueles que andam por aí feito zumbis, em meio a mandatos apagados. Arlen Santiado é um deles. O deputado federal Antônio Pinheiro Neto, o Pinherinho, é outro que se coloca como novo pai do asfalto.   

No vídeo que rodou por aí, Viana fala bobagens típicas de quem não sabe bem onde fica o Norte de Minas nem conhece suas dores. O senador conta a lorota de que a estrada deixou de ser feita no Governo Itamar Franco (1999/2003), o que nem chega a ser uma meia verdade. 

A COR DO GATO

A BR-135 foi estadualizada na gestão Itamar em Minas, com Fernando Henrique Cardoso na Presidência da República. A gestão Itamar não fez nenhum gesto para realizar a obra. Anos depois, já no governo Lula, a estrada voltou para o domínio da União, quando se iniciou o asfaltamento entre Cocos, na Bahia, e Manga (Minas Gerais).

||||||||||||||||||||||||||||||||||||||

LEIA TAMBÉM:
A LAMBANÇA DE ARLEN NA BR-135

Ao devolver gestão da rodovia para União, deputado impede inclusão do trecho Manga-Itacarambi nas obras do acordo Zema-Vale
|||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||

Noutro trecho do vídeo, Viana diz que os Xacriabás impediram a conclusão da estrada - o que também não procede. Os índios conseguiram barrar uma estrada estadual que liga Januária a Mivavânia, no outro lado da reserva. Houve um protestos de moradores de São João das Missões, sede da reserva, mas para pedir a estrada - não o seu contrário. 

Problemas ambientais e a suposta existência de um cemitério da etnia indídena Xakriabás em São João das Missões embargaram a obra ali por volta de 2010. E nisso estamos até hoje. Agora, o Centrão promete atropelar o ministro Paulo Guedes e arrancar o dinheiro que não existe no orçamento federal para retomar o asfalto. Promete apenas, porque o ministro Guedes segue obstinado na tentatica de fechar o cofre.

Isso depois do deputado estadual Arlen Santiago (PTB), que comunga na mesma sacristia eleitoral do senador Carlos Viana, aprovar lei estadual em que o governador Romeu Zema (Novo) devolveu a BR-135 entre Manga e Itacarambi - mais uma vez - para a gestão da União.

Como disse certa vez o vice-presidente José Alencar (1931/2011), repetindo o líder chinês Deng Xiaoping, não importa a cor do gato, interessa que ele pegue o rato. Se o asfalto sair pelas mãos do Centrão, ainda será em tempo.  

O povo do extremo-norte-mineiro espera esse asfalto há pelo menos cinco décadas e já não se importa quem é o pai da criança nas lorotas da vez. Mas é preciso sair. De promessas vazias e lorotas, o eleitor da região já anda bem aziado. Não serão promessas vagas de um senador que ninguém conhece que muda o jogo. Resultados, por favor, excelências. 

Comentários  
0 # wagner 05-04-2021 19:56
2022 é ano político neh!!! Normal isto, afinal esta BR já elegeu tantos na promessa de ser asfaltada, mas eles estão certos, errados são os eleitores que aindam votam nestes parasitas que só sabem sugar o país e adoece-lo cada vez mais.
Responder | Responder com citação | Citar
-2 # RICARDO LAGOEIRO 07-04-2021 10:59
O bom Governo e ministros, foram aqueles que acabaram com estatais e seus planos de previdência, bem como enviaram para ditadores o dinheiro do BNDS que é do povo brasileiro, para construir obras que não foram feitas no Brasil, nem falar dos estadio para copa e não hospitais, e o famoso mensalão, petrolão e outros escândalos. Que saudade destes tempos de gloria.
Responder | Responder com citação | Citar
Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar