Bloco de Notas

Imprimir

HORÁRIO DE VERÃO ACABA NO SÁBADO

No 12 Fevereiro 2018.

Chega ao fim à meia-noite do próximo sábado (17) o horário de verão em vigor desde outubro passado, quando os relógios devem ser atrasados em uma hora.

Após quatro meses em vigor, o horário de verão impactou a vida das pessoas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Nos estados do Norte e do Nordeste não houve mudança nos relógios. A temporada do horário diferenciado neste verão em 2017/18 dividiu opiniões e o governo federal chegou mesmo a cogitar a possibilidade de fazer enquetes em redes sociais para deliberar sobre o assunto.

O fim do horário de verão não está de todo descartado, porque pesquisas de entidades do setor elétrico indicam mudanças nos hábitos de consumo de energia dos brasileiros. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o que influencia o maior consumo de energia no horário de pico não é mais a incidência de luz solar, e sim a temperatura.

Enquanto a mudança não vem, o governo já decidiu que a próxima edição do horário de verão deve começar mais tarde do que o habitual. É que o presidente Michel Temer assinou decreto, em dezembro passado, que reduz a duração do horário especial, transferindo o começo de outubro para novembro. A data de encerramento continuará no terceiro domingo de fevereiro de cada ano.

A justificativa para a adoção da medida ano após ano é o aproveitamento do maior período de luz solar para economizar energia elétrica. Em 2013, o país economizou R$ 405 milhões, ou 2.565 megawatts (MW), com a adoção do Horário de Verão. No ano seguinte, essa economia baixou para R$ 278 milhões (2.035 MW) e, em 2015 caiu ainda mais, para R$ 162 milhões. Em 2016, o valor economizado com Horário de Verão baixou novamente, para R$ 147,5 milhões.

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar