Artigos

Imprimir

UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO II

No 10 Junho 2017.

Conexão entre Malhada e Carinhanha, ponte Guimarães Rosa mostra que sonho dos manguenses é possível

 Conhecida como ponte da integração, Guimarães Rosa permite à BR-030 atravessar o Velho Chico no sudoeste baiano 

Enquanto os barranqueiros do Rio São Francisco no trecho mineiro do extremo norte esperam em vão a construção da tão sonhada ponte na travessia do Rio São Francisco entre Manga e Matias Cardoso, a obra é realidade, há sete anos, bem próximo dali, na ligação entre os municípios baianos de Carinhanha e Malhada. A ponte Guimarães Rosa, uma homenagem ao autor de 'Grande Sertão: Veredas', foi inaugurada em março de 2010, pelo então ministro dos Transportes Paulo Sérgio Passos.

A bela estrutura da Guimarães Rosa se destaca em meio à vastidão do semiárido baiano. A ponte, que liga o sudoeste ao oeste da Bahia, tem extensão de 1.098 metros e conta com duas faixas de tráfego, além de faixa lateral, com largura de 2,5 metros, para a passagem de pedestres e ciclistas.

A ponte entre Carinhanha e Malhada foi construída para que o traçado da BR-030 vencesse o obstáculo do Rio São Francisco. A zero-trinta é uma das rodovias radiais previstas para ligar Brasília às várias regiões do país. Neste caso, a faixa de sertão entre Minas, Goiás e Bahia e ainda o litoral nordestino.

Cinco décadas

Segundo o radialista e blogueiro Joao Miguel, do site ‘Folha do Vale’, o governo federal disse à época da inauguração de que foram investidos R$ 49,6 milhões na construção da ponte e outros R$ 18,6 milhões na pavimentação do trecho de cinco quilômetros que faz o acesso entre a cidade de Carinhanha e a travessia do Rio. A má notícia para os norte-mineiros é que entre a concepção da ideia da ponte pelo então deputado federal Vasco Neto e sua existência no mundo das coisas concretas, consumiram cinco décadas.


Leia também:

UMA PONTE BEM MAIS LÁ PRO FUTURO II

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar