Artigos

Imprimir

UM POST PARA CORRIGIR UM ERRO DO BLOG

No 31 Julho 2017.

Quinquinha não pediu para servidor efetivo fazer sua defesa em rede social. Bronca é com vereador Som Nogueira

      Imagem: www.norticias.com.br 

Diferentemente do que publicamos aqui, o prefeito de Manga, Quinquinha do Posto (PPS), não pediu para que servidores comissionados e efetivos, reunidos no Salão da Educação, na tarde da quinta-feira (20/7), fizesse sua defesa nas redes sociais. Vale o registro de que o autor destas linhas enviou pedido de esclarecimento ao prefeito e ao seu ex-futuro secretário de Governo e ainda na Administração, Henrique Fraga, que optaram por não responder.

O encontro efetivamente aconteceu e teve o propósito de desmentir os ruídos da rádio-corredor que davam conta da sua iminente saída do cargo, após ter sido condenado por três vezes à perda de mandato por improbidade administrativa, decretadas pelo juiz João Carneiro Duarte Neto, da Comarca local.

Segundo uma fonte, na ocasião o prefeito se disse ‘inocente’ e prometeu reverter os reveses em instâncias superiores - além de ouvir do vice-prefeito, Luiz Fogueteiro (PRB), o compromisso de que não conspira para apeá-lo do cargo. “Você conhece o Quinquinha, ele não seria bobo de se expor na frente de servidores concursados”, diz a mesma fonte sob o compromisso do anonimato.

A cobrança do prefeito por reação dos assessores às críticas que recebe nas redes sociais teria acontecido em outro momento, em reunião restrita a alguns dos servidores comissionados no seu gabinete. Ali, ele teria reclamado de ser alvo frequente das pancadas do vereador Anderson Cesar Ramos, o Som Nogueira (PSB), e teria pedido aos assessores mais empenho em sua defesa e da administração.

Um dia antes, Som Nogueira havia postado no Facebook um ácido comentário sobre o descaso do prefeito com a Guarda Municipal, logo depois da tentativa de assalto a mão armada no terminal rodoviário da cidade. “Uma vergonha de uma administração fracassada e absolutamente incompetente. O povo precisa acordar para os desmandos e a falta de respeito de uma gestão que só está preocupada em engordar os salários de comissionados e deixar em completo abandono os efetivos, que tanto contribuem para o nosso município”, escreveu o oposicionista.

“Estamos em maus lençóis...”

A tensão entre Som Nogueira e o prefeito subiu ao nível máximo depois que o vereador o chamou de “corrupto” durante discurso no plenário da Câmara de Manga.

- Eu tenho certeza que estamos em maus lençóis, de que elegemos um prefeito corrupto, um prefeito que não tem dado à população a assistência necessária. Tenho recebido diuturnamente em meu gabinete vários pedidos, vários problemas em relação à falta de atendimento na saúde, na segurança publica etc. -, disse Nogueira.

Quinquinha, que acaba de ganhar uma ação por danos morais contra o ex-vereador Maurício Magalhães, que o chamou de ‘prefeito moleque’ durante uma entrevista na rádio comunitária local em 2012, ainda não tornou pública sua decisão de também processar Som Nogueira. Se o fizer, provavelmente vai dar com os burros n´água. Nogueira pode não ter sido lá muito diplomático, mas tem aval constitucional para dizer o que lhe der na cachola.     

Ainda que sob o manto da imunidade parlamentar, o vereador parece ter exagerado na dose ao adjetivar Quinquinha como corrupto. Improbo talvez fosse mais adequado, porque tem o irrefutável respaldo de três condenações judiciais e no dicionário significa a mesma coisa, pois define a qualidade de quem não é probo nem correto. 

Comentários  

+2 #1 Fernando Novais 01-08-2017 10:24
Improbo ou que for seis / meia duzia, para um prefeito condenado em primeira instância não importa, o que o Vereador Som Nogueira falou é verdade, independente de imunidade parlamentar. Mas para quem está acostumado com tapinhas nas costas a verdade dói. #TAMOJUNTO SOM.

COMENTÁRIO MODERADO.
Citar

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar