Artigos

Imprimir

ÁGUA NO PORÃO DO TITANIC

No 24 Novembro 2017.

Relatório da comissão processante indica continuidade da investigação contra Quinquinha 

[ATUALIZADO, 25/11/2017] - Aumenta a tensão nos corredores da Prefeitura de Manga à medida que se aproxima a reta final dos trabalhos da comissão processante instalada pela da Câmara de Vereadores local para apurar denúncia de suposta prática de improbidade administrativa do prefeito Quinquinha de Quinca de Otílio, o Joaquim Oliveira Sá Filho (PPS), na contratação do escritório de advocacia Menezes & Consultores Associados ao custo de R$ 65 mil ao longo deste ano.

Segundo uma fonte que atravessa com frequência os corredores em formato de cruz do Paço Municipal, o clima por lá é de preocupação muito mal dissimulada. Volta e meia, um dos mais de 100 servidores comissionados interpelam o advogado Fábio Oliva, responsável pela defesa de cerca de 8.000 páginas que o prefeito encaminhou à Câmara, ou mesmo o líder do prefeito na Câmara e membro da comissão processante, vereador Evilásio Amaro (PPS), na tentativa de mitigar a ansiedade que vai tomando conta do ambiente.

Amaro e Oliva são, até aqui, os ponta de lança da defesa no Legislativo. O vereador, por sinal, foi laborioso na tentativa de obstruir os trabalhos da comissão. É nos dois, Oliva e Amaro, que se concentram as esperanças de Quinquinha e seus comissionados de barrar a denúncia com seu envio aos arquivos da Câmara.    

A turma teme ficar desempregada no raiar do Ano Novo, caso a Câmara Municipal venha mesmo a cassar o mandato de Quinquinha até o prazo final da comissão processante, que deve concluir a investigação ali pela semana do Natal. Há até mesmo casos de pessoas que comprometeram parcela dos seus vencimentos com empréstimos com garantia dos salários e que estão preocupadas com o futuro próximo e com a segurança financeira em caso de revés do prefeito no enfrentamento da denúncia - ele tem apenas três dos noves vereadores aptos a votar pela sua cassação.

A Casa começa a instrução do processo na próxima segunda-feira (27), com a oitiva de Quinquinha, mas o entorno do gabinete do prefeito tenta acalmar os ânimos dos ansiosos comissionados com o discurso de que a investigação não vai dar em nada. A estratégia tem sido desqualificar o trabalho dos integrantes da comissão processante.

Provocações

Para a tropa de choque de Quinquinha, os vereadores Bento Ferreira Gonçalves (PR), presidente da comissão, e Israel Jarbas Pimenta, o Bio (PSB), não teriam preparo para conduzir a investigação e apenas seguem o script determinado pelos advogados que assessoram os trabalhos da CP. “Você acha que Bento tem capacidade para cassar um prefeito honesto igual o nosso”, provoca um dos escudeiros de Quinquinha, em 'off' para o site. O próprio Evilásio Amaro, único representante governista na comissão faz questão de provocar o colega Bento, com insinuações de que ele apenas desempenha o papel que a assessoria jurídica da Casa lhe indica.    

Embora mande avisar ao distinto público que está dando risadas sobre o futuro da comissão, o prefeito é quem mais tem a perder caso a Câmara antecipe o final do seu mandato. Vai ser obrigado a abrir mais uma frente de judicialização da política local, de resultado sempre incerto, além de passar pelo vexame de ceder a cadeira pela qual demonstra tanto apego ao vice-prefeito, Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz do Foguete (PRB), que sonha com o cargo, mas tem evitado colocar fogo na pólvora para chegar lá.

Quinquinha sabe que corre o risco do Fogueteiro tomar gosto pela decoração do gabinete e se tornar um obstáculo na sua tentativa de reaver o mandato em caso de afastamento. O nível da fervura deve esquentar na próxima semana, quando vem a público o teor do relatório da comissão processante, com data de 17 de novembro, em que se recomenda a continuidade da investigação contra o prefeito - embora faça a ressalva de que não concluiu, com os elementos que avaliou, se se o prefeito violou os princípios da moralidade na coisa pública ao contratar o escritório Menezes & Associados com dispensa de licitação.      

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar