Artigos

Imprimir

QUINQUINHA E SUAS 'PROVAS IMPRESTÁVEIS'

No 08 Dezembro 2017.

O prefeito de Manga, Quinquinha de Quinca de Otílio, o Joaquim Oliveira Sá Filho (PPS), deveria comparecer à comissão processante da Câmara de Vereadores que investiga suposta ação de improbidade na contratação do escritório Menezes & Advogados Associados.

Esse escritório é o mesmo que já lhe rendeu três condenações judiciais a perda do mandato e devolução de valores pagos indevidamente por ato administrativo sobre o qual se argumenta existência de vícios que afetam à moralidade pública e otras cositas mas.

Adiado a pedido do prefeito-réu, o depoimento, ou oitiva, como preferem os advogados, deveria acontecer na manhã desta sexta-feira (8), mas os trabalhos de investigação estão suspensos por mandado de segurança da Justiça local impetrado pelo vereador e membro da comissão processante Evilásio Amaro (PPS), líder do governo na Câmara e muito conhecido pela dedicação quase religiosa à defesa dos interesses do prefeito.

O advogado Ilídio Antônio dos Santos, que assessora a Câmara Municipal durante a temporada de investigação contra Quinquinha, recorreu ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais com agravo de instrumento em que pede a revogação da decisão singular do juiz titular da 1ª Vara da Comarca de Manga, Luiz Felipe Sampaio Aranha.

Manobras

Entre outros motivos, o advogado da comissão processante alega que o juiz da primeira instância concedeu o mandado de segurança que sustou os trabalhos de investigação sem que a outra parte tenha sido ouvida, no que fere o princípio juridico do 'inaudita altera pars', além de pedir que o magistrado Luiz Felipe reconsidere sua decisão após tomar conhecimento mais amplo dos fatos que aconteceram na Câmara Municipal.

Seja como for, Quinquinha escapa mais uma vez de comparecer à comissão processante, mesmo que o seu depoimento não tivesse recebido o carimbo de obrigatório. No agravo de instrumento, o advogado Ilídio tenta mostrar as reiteradas tentativa do vereador Evilásio em obstruir a investigação, inclusive ao pedir vistas de 7,5 mil páginas de documentos anexos à defesa do prefeito, que seriam "imprestáveis" e de utilidade nula como prova contrária à acusação de improbidade. A novela terá novos capítulos, quiçá antes do Natal.

Comentários  

-2 #1 pe dy cabria 08-12-2017 17:14
Deve levar o tempo necessário para ler.
- Sugiro que depois, perguntem algo por exemplo sobre a pagina 23213...
Citar

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar