Estaduais

Imprimir

MEIA-VOLTA, EDMÁRCIO

No 02 Outubro 2017.

O prefeito de Matias Cardoso, Edmárcio Souza Leal, o Edmárcio da Sisan (PSC), entrou numa depois que o deputado federal Gabriel Guimarães (PT), de quem é aliado, anunciou sua retirada da política para apoiar o sonho do correligionário Paulo Guedes em vir para Brasília.

Edmárcio rompeu com o deputado estadual Arlen Santiago (PTB), há coisa de três meses, numa tentativa de se proteger sob o guarda-sol do Palácio Tiradentes, hoje sob o comando do petista Fernando Pimentel (aqui). Edmárcio trocou Arlen pelo também deputado estadual Luiz Tadeu Martins, o Tadeuzinho (PMDB), que têm trânsito livre ao governo estadual e pode ajudar na transferência de recursos para o município.

O prefeito de Matias havia chegado à conclusão de que precisa muito mais do que as promessas vazias de Arlen Santiago para atender minimamente sus promessas de campanha nesses tempos bicudos de crise. Edmárcio foi um dos primeiros prefeitos da região a receber do próprio Gabriel Guimarães o pedido de apoio para a candidato do pai, Virgílio Guimarães (PT), que vai buscar uma vaga para a Assembleia de Minas, em aliança com Paulo Guedes, que sonha em voo para o Congresso Nacional e entra na disputa para deputado federal (aqui).

Tadeu Martins ficou a ver navios e deve se aproximar do ex-prefeito João Cordoval, que se filiou ao PMDB para disputar a prefeitura de Matias Cardoso no ano passado, quando foi derrotado por Edmárcio por curta diferença de votos. Se acontecer, a troca não será de todo ruim para Tadeuzinho, já que Edmárcio sofre o desgaste de ser prefeito em segundo mandato, situação que dificilmente será revertida ao longo dos próximos 12 meses que antecede as eleições.

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar