Nacionais

Imprimir

PARADOS NO PEDÁGIO...

No 17 Março 2015.

Governo vai privatizar novos trechos de rodovias no segundo semestre

Com Agência Brasil

O governo federal planeja abrir novas rodadas de concessões rodoviárias no segundo semestre, informou hoje (17), durante audiência pública no Senado Federal, o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa. Segundo ele, as concessões de rodovias deixarão de ser notícia porque serão corriqueiras.

De acordo com o ministro, os estudos sobre concessões estão sendo tocados e fazem parte das metas definidas pelo governo para os próximos anos. “Está prevista uma nova rodada com outras rodovias no segundo semestre, após a conclusão dos estudos em andamento”.

Concessão é a palavra empregada pelo governo federal para definir as privatizações que jurava que jamais iria fazer. Não demora muito e o brasileiro vai enfrentar uma infinidade de paradas em pedágios toda vez que precisar a lazer ou negócios. Tudo bem, o leitor pode dizer, é melhor pagar por uma estrada melhor do que trafegar por essas picadas que o governo insiste em chamar de rodovias. Seria, não fosse o fato óbvio de que pagamos uma das cargas de impostos mais elevadas do mundo. Pa ra quê?      

Ponte

A respeito da concessão da Ponte Rio-Niterói, Barbosa disse que o leilão previsto para amanhã (18) despertou o interesse de seis grupos, o que, gera uma expectativa de concorrência pelo empreendimento.

Ele lembrou que, no âmbito ferroviário, há três projetos sendo avaliados para fins de licitação em 2015 – os trechos que ligam Lucas do Rio Verde para Campinorte, em Goiás; do Rio de Janeiro para Vitória (ES); e de Palmas (TO) para Estrela do Oeste (MG). “Além disso, avançamos nos estudos de viabilidade para concessao da Ferrovia Norte-Sul e no plano de intenções com Peru e China para a construção da Ferrovia Transoceânica. Esse acordo deverá ser assinado ainda neste ano”.

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar