Política

Imprimir

DERRAPAGEM NA SAÍDA

No Segunda, 07 Janeiro 2013 21:00.

A impressão que começa a se formar é a de que, com apenas 72 horas no cargo, o novo prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT), queimou a largada – jargão do mundo esportivo que explica a arrancada involuntária de um dos competidores antes do sinal para o início da prova e que obriga a realinhamento e nova partida.

O episódio da indicação de três parentes para cargos de primeiro escalão publicado pelo jornal ‘O Globo’ no último sábado e a notícia de que aliados terão seus nomes confirmados em cargos importantes do novo governo, mesmo na condição de investigados por prática de malfeitos em passagem anterior por funções públicas, passa para a opinião pública a imagem de que a administração tem critérios éticos e morais um tanto quanto elásticos demais.

A notícia de que a nova administração talvez não consiga pagar os salários do mês de dezembro, mesmo que suposta omissão do ex-prefeito Quinquinha Oliveira (PPS), é outra frente de desgaste imenso para Paulo Guedes e Anastácio. Pelo princípio da continuidade entre os governos, a responsabilidade é toda de quem assumiu a Prefeitura.

Imprimir

ANÁLISE

No Domingo, 06 Janeiro 2013 11:18.

Bodoque por 20 anos, Paulo Guedes muda para o lado da vidraça


Administração petista em Manga já começa a colocar nome do deputado na alça de mira dos seus adversários políticos

O deputado estadual Paulo Guedes (PT) roubou a cena na posse dos eleitos em Manga na noite do último dia 1º. Enquanto o irmão e agora prefeito Anastácio Guedes tropeçava nas palavras ao tentar fazer a leitura do discurso preparado por assessores, o deputado falou de improviso com a tarimba de quem acumulou 20 de estrada e tribunas.

Paulo empolgou a assistência ao projetar as mais otimistas expectativas para o primeiro mandato do PT à frente do município. Semeou esperanças a ouvidos receptivos da multifacetada base eleitoral que conseguiu reunir no município (os ex-prefeitos e antigos rivais Haroldo Bandeira e Humberto Salles estavam perfilados em traje de festa, olhares embevecidos para o deputado aliado).

Guedes, como sabem até os balaústres do cais de Manga, é o avalista do mandato do irmão e tem mesmo planos sinceros para materializar as condições que transformem em realidade, ainda que parcialmente, as muitas ideias que brotam com o entusiasmo da vitória. O petista tem projeto de permanecer no poder municipal, ainda que por interpostas pessoas, pelos próximos 12 anos, no que inclui a reeleição de Anastácio.

Todo bônus tem seu ônus correspondente.

Imprimir

A BOLA ESTÁ COM ANASTÁCIO

No Quarta, 02 Janeiro 2013 14:46.

Novo prefeito tem o desafio de mostrar a que veio e provar que não será satélite do irmão deputado

## Pouca experiência atrapalha, mas governo tem chance de dar certo por conta de interesse de Paulo Guedes em mostrar serviço

Foto: Manoel Freitas

Paulo abraça o irmão Anastácio durante cerimônia de posse: novo prefeito precisa mostrar que tem autonomia e que é timoneiro do eu governo

Em entrevista da série “Sete perguntas para o candidato...” que este Em Tempo Real publicou em meados do mês de setembro de 2012, o agora prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT), reagiu com inusitada veemência para pergunta que tocava em ponto sensível, a saber, se a então hipotética administração receberia interferências do irmão, o deputado Paulo Guedes, e dos aliados Haroldo Bandeira (PMDB) e Humberto Salles (PSB).

“Essa é uma postura de quem não tem argumento e nem projeto para Manga. Todos conhecem minha trajetória de empresário bem-sucedido. Tomo decisões, na minha empresa e na minha vida pessoal, com personalidade. Não tenho e nunca tive vocação para fantoche. Aproveitarei, claro, o bom trânsito que o deputado Paulo Guedes tem nos ministérios para carrear recursos para nossa cidade. Estou preparado para ser o prefeito do povo de Manga e para fazer o que outros não fizeram”, afirmou Anastácio, em resposta por e-mail encaminhada ao signatário desta página naquela ocasião.

No momento em que este texto é escrito, nas primeiras horas deste 2 de janeiro, a cidade do extremo norte-mineiro ainda acorda sonolenta, após as comemorações da posse do novo prefeito e vereadores. O lixo da festa, que avançou pela madrugada, provavelmente segue acumulado pelas ruas de pedra do centro antigo da cidade. Assim que acordar, o petista estará diante do desafio de tocar a máquina, dar ordens aos seus subordinados, participar de intermináveis rodadas de reuniões, tomar decisões, nomear, demitir, enfim, fazer escolhas, nem sempre fáceis.

Tudo muito diferente dos últimos dois meses, quando Anastácio sorveu a taça agridoce que se reserva aos vencedores, tempo de muito sorrisos e tapinhas nas costas, novos e inusitados amigos, luzes, cores... Lua-de-mel com o eleitor, para melhor resumir a coisa toda. Essa fase boa ficou para trás e o mundo real se impõe: a arrecadação em baixa e pressão por aumento de salários, má qualidade na prestação de saúde, novo calendário escolar, dívidas vencidas e a vencer, tudo isso e muito mais, passa a dominar a agenda do novo prefeito

"Ninguém nasce pronto para ser prefeito", diz deputado

Imprimir

ACORDO PARA A PRESIDÊNCIA DA CÂMARA EM MANGA

No Terça, 01 Janeiro 2013 16:32.

Pinheiro leva presidência da Câmara após cooptar vereadores da oposição


## Acordo entre Leonardo Pinheiro, Raimundo Gordo e Hélio Boquinha (ao centro), além de Zé de Sá, acaba com sonho de Evilásio Amaro (direita) em presidir a Casa

TEXTO ATUALIZADO

Sinecura, segundo os dicionários, é ‘substantivo feminino que significa emprego rendoso e de pouco ou nenhum trabalho. Emprego cujas funções não se exercem’. Pois será exatamente uma sinecurazinha, uma boquinha para ser mais fiel ao caso em tela, o fiel da balança que decide daqui mais algumas horas a presidência da Câmara de Manga em favor do vereador Leonardo Pinheiro (PSB).

Pinheiro enterrou de vez qualquer chance do adversário Evilásio Amaro (PPS) chegar à presidência da Câmara de Manga ao fechar acordo com os vereadores também oposicionistas Raimundo Mendonça Sobrinho, o Gordo, e Hélio Soares de Assis, o Hélio Boquinha (PPS), e José de Sá Elvira, o Zé de Sá (DEM). O acordo foi selado durante encontro na noite da segunda-feira (31) na residência do vereador Leonardo, que contou, inclusive, com as presenças do prefeito Anastácio Guedes e do deputado estadual Paulo Guedes.  

Raimundo Gordo será o vice-presidente da chapa encabeçada por Leonardo Pinheiro, que conta ainda com os votos dos petistas Dão Guedes e Luiz Carlos Santana Caires, o Luiz do Foguete, além do apoio do outsider Eziquel Castilho (PR). Só aí são seis votos, dos nove possíveis e a fatura parece liquidada. A não ser que... A não ser que milagres aconteçam.

Adalberto Pereira cotado para novo assessor da Câmara

Imprimir

SER OU NÃO SER? SEI NÃO...

No Segunda, 21 Julho 2014 12:20.

Quinquinha registra candidatura, mas ainda tem dúvida se vai colocar campanha nas ruas

O ex-prefeito de Manga Quinquinha Oliveira registrou sua candidatura a deputado federal pelo PT do B, mas, segundo o site apurou, ainda está indeciso se realmente vai pedir o voto do eleitor. O ex-prefeito é um poço de indecisão: depois de anunciar que desistira do sonho de chegar a deputado federal, com o argumento de que precisava focar sua atenção nas empresas que tem em carteira, ele deixou o PPS para ingressar no PT do B, como parte da estratégia para disputar a atual campanha eleitoral. A premissa era de que o nanico PT do B permite ao candidato se eleger com menor número de votos em relação ao PPS.

Agora candidato, Quinquinha informou à Justiça Eleitoral que planeja gastar R$ 3 milhões na empreitada eleitoral, embora tenha patrimônio declarado de módicos R$ 1,3 milhão, distribuídos pela participação que mantém em cinco empresas, imóveis e até mesmo em rebanho bovino. Procurado para comentar o assunto, o prefeito não atendeu às ligações do Em Tempo Real. Se resolver colocar o bloco nas ruas, o ex-prefeito será obrigado a fazer uma corrida contra o tempo para se tornar minimamente conhecido pelo eleitor.

Candidato de mentirinha