Política

Imprimir

VÃO-SE OS ANÉIS, FICAM OS DEDOS

No Quinta, 11 Setembro 2014 16:56.

Estagnado na sucessão presidencial, Aécio intensifica corpo a corpo em Minas

Comitiva liderada por Aécio percorre as ruas de Montes Claros [Imagem: Bruno Magalhães]

Com algum atraso, o candidato a presidente Aécio Neves (PSDB) faz passagem rápida por Montes Claros na tarde desta quinta-feira (11), onde se reúne com lideranças políticas da região, em especial prefeitos reticentes em colocar a campanha dos tucanos nas ruas. A visita ao Norte de Minas parece ser parte da estratégia de Aécio para tentar reverter a desvantagem do candidato a governador Pimenta da Veiga – que demora a desbancar o favoritismo do adversário petista, o ex-ministro Fernando Pimentel. Vale o registro de que o candidato esteve em Minas na semana passada, quando se reuniu com prefeito em Belo Horizonte.

Aécio tenta manter os dedos de futuro legado político, agora que os anéis do sonho presidencial parecem perdidos após o cavalo de pau Marina Silva (PSB) representou para a atual sucessão. Chegamos aos meados de setembro, tempo suficiente para a cristalização das pesquisas eleitorais. O Datafolha trouxe a última delas, na quarta-feira, e mostra a consolidação da polarização entre Dilma Rousseff (36%) e Marina (33%). Aécio aparece com 15% das intenções, ainda sem mostrar capacidade de reação aos fatos novos que botaram a sucessão de pernas para o ar.

Uma derrota para o PT em Minas vai representar uma grande interrogação no futuro político do neto de Tancredo Neves. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem boas chances de reeleição em São Paulo e se candidata a ser o herdeiro do que gestar do legado político do PSDB. O fracasso de Aécio em Minas praticamente sela o nome de Alckmin como candidato a presidente em 2018.

Com a visita a Montes Claros, os tucanos tentam animar a militância e, principalmente, os prefeitos aliados. A prefeitada tem feito corpo mole em suas bases e, fato mais grave para a permanência dos tucanos no comando em Minas, evita até mesmo exibir o material de campanha de Aécio em seus municípios. Muitos deles têm flertado com as lideranças do petismo na região [veja aqui o que já escrevi a esse respeito].

O giro dos tucanos por Montes Claros, que inclui ainda o ex-governador e candidato ao Senado Antonio Anastasia é tentativa de reverter a percepção de que o jogo já foi jogado em Minas. Pimenta cresce lentamente, mas cresce na reta de chegada. Dificilmente o PT vai levar a eleição no primeiro turno – como chegou a sonhar - a diferença do líder Pimentel Sobre o rival Pimenta da Veiga está em 11 pontos, conforme pesquisa Datafolha divulgada ontem.

Com as chances de segundo turno cada vez mais próximas e no cenário mais provável em que Aécio esteja fora da sucessão presidencial, será tempo para a batalha final entre petistas e tucanos em Minas. A aposta é que Fernando Pimentel não tem bala na agulha para o duelo que conte com a participação de Aécio. É esse o clima que marcou o dia dos tucanos em Montes Claros. As juras de arrancada para uma vitória de Aécio e tudo o mais que foi dito, fica limitado ao pantanoso território das expectativas.

Jogo de cena

Imprimir

CRIADOR E CRIATURA

No Quarta, 10 Setembro 2014 17:07.

Cabo eleitoral de Arlen Santiago, ex-superintendente de ensino de Januária quer virar deputado estadual


O ex-titular da Superintendência Regional de Ensino de Januária Alberth Willians Próbio Monção (PSD), indicado para o cargo pelo deputado Arlen Santiago e exonerado pela Secretaria de Educação em fevereiro deste ano, está em campanha para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Agora, Próbio disputa votos com o antigo padrinho, com quem rompeu após a demissão, na microrregião de Januária, em especial São Francisco, onde mora. Arlen Santiago tentou manter o ex-aliado no posto até onde foi possível.

Agora candidato a deputado estadual, Alberth Próbio passou por longo processo de fritura antes de ser demitido do cargo de superintendente regional de Ensino. Ele foi acusado por servidores da SRE por suposta prática de assédios moral e sexual. O assunto motivou um processo administrativo no âmbito da Secretaria Estadual de Educação e foi parar na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Em setembro de 2013, deputados integrantes da Comissão participaram de audiência pública em Januária. Enfraquecido, Próbio teve que jogar a toalha no final do ano passado, quando recebeu ultimato da secretária de Educação, Ana Lúcia Gazzola.   

De volta à planície dos sem-cargo em comissão e na corrida pelos votos do ex-colegas da educação, Alberto Próbio tenta faturar com o que seriam conquistas de quando foi o mandachuva na Regional de Ensino em Januária.

Nó na língua

Imprimir

TUCANOS MINEIROS FALAM EM ARRANCADA

No Quinta, 04 Setembro 2014 18:59.

Avanço de Pimenta da Veiga no Datafolha faz crescer esperança para o segundo turno na sucessão mineira

Enfim uma notícia boa nas hostes tucanas em Minas Gerais. A pesquisa Datafolha divulgada na quarta-feira (3) mostrou o que pode ser o início da demorada reação do candidato Pimenta da Veiga na disputa contra o PT de Fernando Pimentel. O candidato do PSDB deu o que pode ser chamado de salto: cresceu oito pontos percentuais ao sair 16% para 24% das intenções dos votos. A vantagem do candidato do PT recuou cinco pontos desde agosto. Pimentel aparece agora com 32%. O Datafolha indica que Minas vai ter segundo turno, o que bastou para animar a militância presente em evento realizado nesta quinta-feira (4/), em Belo Horizonte.

Em terceiro lugar na corrida presidencial, o senador presidente Aécio Neves (PSDB) participou do encontro que teria reunido mais da metade dos prefeitos mineiros. Segundo Aécio, o encontro representou um marco na arrancada dos candidatos da Coligação Todos por Minas para a vitória nas urnas nas eleições de outubro – tendência que já teria sido captada pelo Datafolha ao apontar o avanço de Pimenta da Veiga e queda do petista Fernando Pimentel. Uma fonte ligada ao PT diz que os levantamentos diários realizados pelo partido não apontam para essa queda abrupta de Pimentel. “Não há fato novo que justifique piora no apoio a Pimentel. Vamos ganhar no primeiro turno”, diz.

Pelo sim, pelo não, o otimismo de Aécio parece não ter contagiado a militância tucana. Uma fonte que participou do evento em BH diz ter ouvido a sugestão para que os prefeitos e vereadores estimulem o Dilveiga junto aos seus eleitores. E o que vem a ser o Dilveiga? Algo na linha da repetição para a atual sucessão do ‘Lulécio’ em 2006 ou o ‘Anastadilma’ das últimas eleições.

Imprimir

DUAS SEMANAS VITAIS PARA A SUCESSÃO

No Segunda, 01 Setembro 2014 18:43.

Se chegar na frente nas pesquisas até 15 de setembro, Marina pode causar nova reviravolta na sucessão. Esécula-se até com a possível renúncia de Aécio Neves

Marina (ao centro) tem 15 dias para dizer a que veio

Se conseguir sobrevir ao intenso e desleal bombardeio que enfrenta desde que empatou com a presidente Dilma Rousseff (PT) nas pesquisas de intenção de voto, Marina Silva (PSB) deixa de ser a ‘onda’ e se qualifica para vencer as eleições. Para tanto, os próximos 15 dias serão decisivos, e especialmente nervosos no plano da sucessão presidencial. Marina tem sido atacada sem dó nem piedade desde a última sexta-feira, quando surpreendeu o mundo político ao pontuar de igual para igual com Dilma e praticamente sepultar as esperanças de Aécio Neves (PSDB) na disputa.

Todos os holofotes se voltam conta a ex-senadora e a devassa ameaça chegar ao seu ciclo familiar. A grande imprensa questiona sua capacidade gerencial e os chamados sites e blogs sujos,em especial os vinculados ao petismo, em que se inclui o já notório Vinte e Quatro Horas/Sete dias, associam o nome de Marina a tudo o que pode existir de pior na cena política nacional: de Jânio Quadros a Fernando Collor de Mello, além de referências pouco elegantes aos supostos flertes da ex-senadora com o autoritarismo e insinuações de que o Brasil voltaria às trevas da anarquia na hipótese da sua vitória.

Fato concreto é que, se passar incólume e sobreviver politicamente às próximas duas semanas, e, sobretudo, se permanecer na liderança da preferência do eleitorado até ali pelo dia 15 de setembro, a candidata Marina consolida o favoritismo que pode deflagrar nova reviravolta nesta sucessão, já repleta de surpresas. Nos bastidores, já se especula a provável desistência do candidato tucano, Aécio Neves.

Decisão difícil para o neto de Tancredo, mas não totalmente sem lógica. O assunto circulou como provocação nas redes sociais, mas hoje ganhou alguma veracidade ao ser abordado pelo repórter especial do jornal 'Valor Econômico' Raymundo Costa. O simples fato de que o tema domina as rodas da política jé figura como desastroso para a campanha do tucano.

Liquidar a fatura

Imprimir

É HORA DO VALE TUDO

No Domingo, 31 Agosto 2014 15:50.

Aécio promete reajustar repasses do SUS

Em queda nas pesquisas após a aparição de Marina Silva (PSB) na sucessão presidencial, Aécio Neves se comprometeu, no sábado, durante encontro com lideranças políticas e simpatizantes em Ribeirão Preto, a reajustar a tabela de repasses do SUS (Sistema Único de Saúde) a estados e a hospitais conveniados, como parte de seu plano para garantir qualidade ao atendimento público na área de saúde. O candidato também prometeu criar clínicas de especialidades e o aumento dos recursos financeiros da União para o setor de saúde, inclusive com forte participação do BNDES.

Aécio afirmou que o reajuste da tabela do SUS será feito de forma escalonada a partir do primeiro ano de governo. Já a criação das clínicas de especialidades médicas, disse ele, vai superar um dos principais gargalos que hoje dificultam o atendimento à saúde pública. O assunto seria música para os ouvidos dos gestores do setor de saúde e, de modo especial, para prefeitos de pequenas e médias cidades, a quem cabe fazer a cobertura dos custos da saúde em razão da omissão do governo federal em reajustar a tabela de serviços do SUS.

osse pra valer, a notícia seria a salvação da lavoura para um prefeito petista, Manoel Jorge, de Januária, que planeja passar o hospital sob gestão municipal para uma fundação, com o argumento de que seria a única maneira de passar a atender planos de saúde privados e escapar da dos preços defasados pagos pelo SUS. A depender do governo federal, a unidade pode ser fechada a qualquer momento. Sem falar na rede Santa Casa de Misericórdia, também em petição de miséria em todo o país.

“O que nós queremos é requalificar o atendimento em saúde pública no Brasil com mais recursos, mas também com mais gestão, como fiz em Minas Gerais. Quero reafirmar esse compromisso de levar a saúde mais próxima de onde as pessoas vivem, com mais qualidade, com mais gestão e com maiores investimentos”, disse Aécio.

Promessas