Regionais

PROVEDOR REGIONAL PUXA AVANÇO DA BANDA LARGA

No 29 Janeiro 2018.

A Agência Nacional de Telecomunicações divulgou comunicado nesta segunda-feira (29) com a informação de que foram adicionados ao sistema 1,91 milhão de novos contratos de banda larga fixa no país entre janeiro e dezembro de 2017 - crescimento de 7,15% em relação a 2016. No total, existem no país 28,67 milhões de acessos de banda larga fixa.

A expansão do serviço de banda larga fixa foi puxada pelos provedores regionais responsáveis por 1,28 milhão de novos contratos, aumento de 43,72%, totalizando 4,21 milhões de contratos ativos neste seguimento no final do ano de 2017. Dessa forma, dobrou o crescimento quando comparado à entrada de 591,35 mil novos contratos em 2016.

No ano passado, considerando somente os provedores nacionais, a TIM registrou crescimento de 85,87 mil novos contratos (+26,37%), a SKY aumento de 54,86 mil (+17,69%), a Claro entrada de 482,89 mil (+5,74%), a Vivo somou 108,14 mil (+1,45%) a sua base de assinantes no ano de 2017. A Oi foi a única prestadora onde uma houve uma redução que chegou a 108,83 mil (-1,70%) contratos.

Números de Minas

Quando comparado a 2016, no ano passado a Paraíba foi o estado que registrou o maior crescimento percentual com a entrada de 79,74 mil novos contratos de banda larga (+31,11%), seguida do Ceará com 148,99 mil novos clientes (+25,25%) e do Rio Grande do Norte com entrada de 66,35 mil acessos a sua base (+24,76%). Em números absolutos, São Paulo registrou a maior entrada com 313,50 mil novos contratos (+3,27%), seguido de Minas Gerais com 253,76 mil (+9,68%) e do Paraná com 208,88 mil (+11,33%) novos usuários.

No total, o mês de dezembro de 2017 também registrou aumento de 93,60 mil contratos ativos ou mais 0,33% em relação aos números de novembro. A variação anual e mensal de 2017 da banda larga fixa está disponível no Portal da Anatel por grupos econômicos e unidades da federação. 

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar