logo 20182

VISTA ALEGRE: UM OASIS NA ARIDEZ DO SERTÃO

Ligado .

Duas décadas após difícil começo, empreendimento em Manga é referência de agroindústria autossustentável

[POR LUÍS CLÁUDIO GUEDES - REPORTAGEM ESPECIAL] - Há pouco mais de 20 anos, a rotina do atual empresário Edvaldo Lôpo de Alkmim, 55 anos, consistia em acordar cedo, colocar roupa social e gravata e partir para mais um dia de expediente como gerente-geral do extinto Banco de Crédito Real de Minas Gerais, o Credireal. Além de comandar uma equipe de bancários, as horas no escritório eram preenchidas com a liberação de empréstimos para pessoas físicas e pequenas empresas ou ajudar um cliente-investidor a se decidir entre uma aplicação em caderneta de poupança ou CDB.

Com a chegada do presidente Fernando Henrique Cardoso ao Palácio do Planalto, em 1995, a vida de Edvaldo e de sua família passaria por mudança radical. O governo do tucano FHC decidiu intervir no banco mineiro Credireal, nos mesmos moldes do que já tinha feito nos bancos estaduais Banespa e Banerj. O Credireal seria vendido algum tempo depois para o Bradesco, mas a consequência imediata da decisão federal foi a demissão de alguns milhares de funcionários, entre eles Edvaldo Alkmim.

“Quando era empregado, dedicava à empresa como se ela fosse minha. Acreditem se quiser, mas eu sempre buscava antecipar para hoje o trabalho que deveria ser feito no dia seguinte. No momento em que acreditava estar mais preparado para crescer no banco, descobri que ele seria vendido ou liquidado. Diante da decepção, e pressionado pelas responsabilidades para com a minha família, fui obrigado a correr atrás de uma nova ocupação, para garantir segurança para minha mulher e meus filhos, na época duas crianças”, recorda Edvaldo, para quem os problemas e as dificuldades daquele período o tornaram mais criativo.

Há males, que vem para o bem. “Determinação, disposição e vontade própria eu sempre tive de sobra. Para cada problema e desafio, sempre consegui uma solução. Olhando para trás, avalio que, entre as muitas coisas boas que já me aconteceram, entrar no banco e sair a tempo, foi uma delas”, ele comemora.

Com o dinheiro da indenização trabalhista, Lôpo abriu seu primeiro negócio: a Padaria Pão Gostoso, hoje referência para toda região ao adotar o modelo boutique para exposição e venda da produção saída da Fazenda Vista Alegre, a propriedade que Edvaldo compraria pouco tempo depois, em 1996, localizada entre as franjas da Mata Seca e a periferia no lado sul de Manga, município de 20 mil habitantes localizado no extremo Norte de Minas. A

O ex-gerente de banco nasceu na pequena propriedade rural da família, no Vale do Rio Japuré, onde desde menino começou a trabalhar na roça. O emprego no Banco Credireal o levou para uma temporada de 15 anos longe dos afazeres do campo, parte desse período longe de Manga, para onde retornou em 1994. Dois anos após montar a padaria, ele voltou a entrar numa agência bancária, em Januária, agora não mais na condição de empregado, mas para assinar o contrato de empréstimo junto ao Banco do Nordeste, que seria usado na compra da pequena gleba de terra, de 110 hectares - o embrião da atual Fazenda Vista Alegre, que seria expandida em outros 50 hectares algum tempo depois.

“Algumas pessoas da minha convivência não concordavam com a ideia de comprar a fazenda. Muitos até falavam que eu poderia quebrar, que iria gastar o dinheirinho que estava ganhando na padaria”, lembra Edvaldo. O tempo passou e a certeza de há males que vêm para o bem se consolidou. Desde então, o empresário adotou como lema dos seus negócios a máxima do químico francês Antoine Laurent de Lavoisier (1743/1794), aquela que diz que, na natureza, nada se cria e nada se perde, tudo se transforma.

Em adaptação literal para o mundo do agronegócio, o produtor é adepto da chamada integração lavoura-pecuária, que, no seu caso, e como se verá mais adiante, estende-se para outras atividades realizadas em ambiente de campo. Encadear em rede sustentável e rentável a exploração de práticas rurais é o que a família de Edvaldo Lôpo faz há 20 anos, completados no último mês de junho.

Unida e empreendedora, a família ajuda a tomar conta das inúmeras atividades da propriedade  

O início do empreendimento foi difícil, inclusive para a adaptação da esposa Marta França e dos filhos João Victor e Anne Caroline França Alkmim, então com idade entre nove e seis anos. “A sede da fazenda era muito precária e sem nenhum conforto. Lembro que a Marta e os meninos pediam para voltar a morar na cidade”, ele conta. O sacrifício valeu a pena. Hoje os filhos João Vitor (administrador de empresas) e Anne Caroline (advogada) são sócios das empresas e parceiros na gestão dos negócios.

Produtor palestrante

Na Fazenda Vista Alegre quase nada vai para o descarte. As sobras de um processo produtivo são reaproveitadas na etapa seguinte da cadeia de atividades agroindustriais que o ex-gerente de banco Edvaldo Lôpo montou no local em 1996. A propriedade virou referência em sustentabilidade em Minas Gerais e o produtor assume agora novo papel, o de consultor e palestrante para a divulgação das boas práticas que implantou na Vista Alegre, uma espécie de oásis sustentável na paisagem árida do bioma da Mata Seca mineira.

Os negócios de Edvaldo começam a acumular premiações. A primeira delas veio em 2014, quando recebeu o Prêmio Sebrae de Práticas Sustentáveis (aqui), ao lado  da esposa e parceira nos negócios, Marta França Alkmim. O reconhecimento de uma instituição da importância do Sebrae foi passo importante para tornar o trabalho de Edvaldo conhecido país afora. Em junho do ano passado, por exemplo, ele viajou para Fortaleza, onde proferiu palestra durante o Seminário Nordestino de Pecuária, o PEC-Nordeste. Agora mesmo, ele prepara viagem para Uberlândia, no Triângulo Mineiro, onde daqui a um mês participa da Feira Inter-Leite.

Um ano depois do Prêmio Sebrae, em 2015 o produtor recebeu a medalha Mérito Rural, comenda distribuída pela Federal da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), além do prêmio empreendedor destaque pela Federaminas (Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais), desta vez pelo trabalho que desenvolve na Padaria Pão Gostoso, a empresa que deu início à atuação de Edvaldo, logo após a liquidação do Banco Credireal.

Práticas sustentáveis

Na Fazenda Vista Alegre, que em breve deve ganhar uma sede mais confortável e moderna para abrigar a família de quatro pessoas, todo processo produtivo leva em conta critérios para a economia de água e energia elétrica, com intervenção mínimo no meio ambiente. Um dos projetos para o futuro é a instalação de placas para a captação de energia solar, investimento adiado por enquanto em razão do volume de capital que o produtor precisaria imobilizar. “Nosso objetivo é radicalizar na busca da sustentabilidade em todos os setores da propriedade”, planeja.

Mas o que tornou a Fazenda Vista Alegre no xodó dos consultores do agronegócio e da imprensa especializada no agrobussines? A resposta óbvia é a adoção do manejo sustentável em que, por exemplo, toda a água utilizada nas lagoas de criação de peixes é reutilizada na irrigação de pastagens e nas lavouras de milho e capim, utilizados na preparação da silagem para o gado. Os tanques para o criatório dos peixes são cavidades retangulares abertas no chão e abastecidas com a água bombeada do Rio São Francisco. Edvaldo já produz pintados, tilápias e tambaquis, peixe típico da Amazônia adaptados para o sertão mineiro. O reuso da água dos tanques de criação dos pescado elimina uma nova captação do Rio São Francisco, que fica ali do lado.

Edvaldo segura um tambaqui ao lado do filho João Vítor. Na outra imagem, vista parcial dos tanques de produção de pescado (imagens: arquivo da família)

Outro exemplo de manejo inteligente vem do laticínio, onde o soro, um subproduto derivado do processo de industrialização do leite, garante economia nos custo de outra atividade da Fazenda e vira alimento para a criação de porcos – que, por sua vez, geram o esterco que é coletado por um sistema de bacias e reciclado em adubo para as pastagens. É esse ‘circulo’ virtuoso que diferencia a Fazenda Vista Alegre, pequeno, mas importante exemplo de como o homem pode contribuir com um mundo que precisa, com urgência urgentíssima, poupar recursos, cada vez mais finitos, em benefício das próximas gerações.

Restos de pães viram adubo

A Padaria Pão Gostoso também está integrada ao processo de reutilização dos meios de produção. De lá saem sobras de alimentos, massas e pães, em maior volume, que serão transformados em adubo orgânico para a fertilização da horta, após passar por um processo de compostagem. Na contramão desse processo, os produtos da horta e do pomar voltam para a Pão Gostoso, na forma de polpas de frutas de fabricação artesanal. As gôndolas da Padaria também são abastecidas com produtos lácteos (queijos diversos, manteiga, requeijão, doces, iogurtes e mesmo o próprio leite-barriga, ensacado para consumo in-natura). “Não há desperdício, tudo é reaproveitado em favor do meio ambiente e dos negócios”, informa o empreendedor.

O produtor não deu muita bola para o convite que recebeu da assistente do Sebrae em Januária Kely Cristina Santiago para se inscrever ao Prêmio Sebrae de Práticas Sustentáveis. Eles foram colegas do seminário Empretec, programa de gestão empresarial desenvolvido pela ONU e franqueado no Brasil com exclusividade pelo Sistema Sebrae. Kely ficou entusiasma com a descrição que ele fez das suas atividades e o incentivou a disputar a premiação.

Determinação

Após um longo de dia de trabalho, que invariavelmente começa por volta das quatro horas da madrugada, com a ordenha das vacas no curral ao lado da sede da fazenda, Edvaldo ligou o computador para escrever o briefing de apresentação do seu ‘case’ ao Sebrae. O texto ficou pronto por volta das duas da manhã da data limite para o envio da inscrição por meio eletrônico. Quando se preparava para finalizar o trabalho, uma queda de energia fez Edvaldo perder todo o texto. Determinado, ou teimoso mais que uma mula, ele dormiu por escassas duas horas, voltou a ligar a máquina e ‘despejou’ tudo que tinha na cabeça novamente na tela. O resultado você viu lá mais acima: foi o ganhador do Prêmio Sebrae, edição 2014.

Os negócios da grife Vista Alegre empregam, em períodos de carga máxima, cerca de 60 pessoas - além do quarteto formado pela família proprietária. Edvaldo diz que sempre correu atrás de capacitações para ele e seus funcionários. Esse respaldo técnico é outro segredo para o sucesso dos seus empreendimentos. “O Sebrae, pela padaria, e o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) pelo lado da fazenda sempre foram meus grandes parceiros”, ele conta. Parte dos 160 hectares da propriedade foi destinada para a criação de 350 cabeças de gado, porcos e muitas galinhas. O Laticínio Vista Alegre tem capacidade para processar 15 mil litros/dia, mas opera com ociosidade em razão da seca que castigou o semiárido mineiro nos últimos quatro anos. Processa atualmente alguma coisa em torno dos cinco mil litros de leite por dia.

O Laticínio Vista Alegre é a empresa responsável pelo atendimento às famílias cadastradas no programa federal ‘Leite Pela Vida’, com entrega diária de cerca de dois mil litros do produto para famílias carentes do município. A empresa se transformou na única opção para o escoamento da produção local depois que a multinacional Nestlé fechou o posto de coleta de leite que funcionou por mais de uma década na cidade.

Sempre inquieto na busca de soluções para reduzir os custos da propriedade, em especial de insumos como água e energia, o produtor instalou na Fazenda Vista Alegre, há 17 anos, a primeira estação de tratamento de água (ETA) privada da região. O valor da fatura da água tratada na fatura mensal da empresa de saneamento pode inviabilizar o funcionamento do laticínio, onde o consumo do líquido é bastante elevado. "Nosso consumo médio é de 80 mil litros de água tratada por dia. Tenho um custo relativamente baixo com esse processo, comparando com a água da empresa de saneamento", avalia.

'Passarinho quando debruça, já tem o voo pronto...'

Depois de garantir o fornecimento de água na Vista Alegre, o produtor se dedica agora ao estudo de viabilidade de instalação de placas solares na propriedade. Parte do processo de industrialização dos derivados do leite utiliza água aquecida por uma caldeira alimentada pelo calor da queima de lenha, cada vez mais escassa na região e que tem a extração fiscalizada a rédeas curtas pelos órgãos ambientais. Lôpo chegou a introduzi uma pequena plantação de eucalipto para resolver o problema, mas acha que a solução poderá vir mesmo do sol abundante disponíveis na região durante todo o ano.

A produção de energias alternativas será a nova empreitada de Edvaldo. Além da captação da energia solar, ele quer instalar de biodigestores para aproveitar os resíduos de origem animal da pocilga e curral, cuja reciclagem vai garantir autonomia da propriedade na para adubação lavouras e pastagens.

Entre os planos para o futuro também estão o incremento na produção agrícola de modo a garantir a independência nutricional na alimentação de bovinos, suínos, aves e peixes. Tal cenário levaria a Fazenda Vista Alegre ao posto de empreendimento totalmente autossustentável.

E por falar em sustentabilidade, pergunto se os negócios têm autonomia também do ponto de vista financeiro. O produtor diz que não. “Ainda dependo de financiamentos para tais investimentos, principalmente com a energia solar”, ele explica. A sede da Vista Alegre se transformou nos últimos anos em ponto de peregrinação de entusiastas da sustentabilidade rural. Esse movimento já faz Edvaldo Akmim sonhar com uma nova possibilidade para a propriedade: explorar o ainda incipiente turismo rural na região.

Para suprir a carência de opções de lazer no sertão, família França Alkmim é entusiasta das cavalgadas

“Ainda não percebo demanda para um projeto dessa natureza, mas assim que houver vamos implantá-lo por aqui”, ele sonha. A opção de ter os filhos ao seu lado no comando dos negócios exigiu deles algum sacrifício. Manga é uma cidade de difícil acesso e não oferece opções de lazer. A cidade não tem um shopping nem cinema e a diversão costuma vir da própria fazenda. A família França Alkmim elegeu as cavalgadas como seu hobby predileto.

Edvaldo investe parte da sua renda em cavalos de boa andadura, apetrechos de montaria e equipamentos para o transporte da tropa. Volta e meia a família dá uma pausa na pesada rotina participar de eventos na região. O último deles na região de Serra das Araras, que chegam a durar uma semana. O prêmio é contemplar o que ainda resta das paisagens descritas por Guimarães Rosa no seu espetacular ‘Grande Sertão: Veredas’. Os passeios pelo sertão são uma oportunidade para liberar a mente dos problemas do dia a dia na lida, pausa para sonhar alto e sonoramente com o futuro. Como diria Guimarães Rosa: “Passarinho que debruça – o voo já está pronto”. Manga e a Fazenda Vista Alegre ainda podem virar exemplo de turismo rural.


Leia também:

FAZENDA MANGUENSE GANHA PRÊMIO DO SEBRAE

IDENE DÁ ‘JEITINHO’ PARA RETOMAR LEITE PELA VIDA

MANGA FIRMA PARCERIA COM A CODEVASF PARA BENEFICIAR PESCADO

 

Comentários  
+3 # Edvaldo 02-07-2016 19:53
Obrigado Luiz Claudio. A matéria foi muito bem-feita. Show de bola. Dedico esse reconhecimento à minha família, meus funcionários e a nossa cidade de Manga.
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Eduardo Cézar 03-07-2016 10:09
Nobre Edvaldo Lôpo de Alkmim, vc não chegou onde está por acaso ou sorte. Isto se chama FÉ, coragem e Trabalho. Vc, juntamente com a família, todos meus amigos, colhem os frutos que plantou. Sei que para chegar à este patamar não é fácil. Tive o privilégio de conhecer a fazenda e suas instalações, muito organizada e produtiva. Parabéns!
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Sebastião Teixeira 03-07-2016 10:09
Parabéns Edvaldo, sempre elogiei seu comportamento empreendedor e otimista. Desejo-lhe muita paz e saúde para toda a família,com a proteção de DEUS. Grande abraço...
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Silvania Medeiros 03-07-2016 10:10
Parabéns, Edvaldo!!! Pelo sucesso, e principalmente, pela determinação, pelo espírito empreendedor e pela coragem de acreditar e transformar um sonho em objetivo, e este, em realidade.
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Débora Ramos 03-07-2016 10:11
É com muita satisfação que declaro que precisamos tanto de pessoas como você.Parabens.
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Diego Mendes 03-07-2016 10:11
Parabéns Edvaldo, você é uma referência no norte de minas. Agradeço a honra de ter conhecido o empreendimento pessoalmente.
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Isabela Carlos 03-07-2016 10:17
Sr. Edvaldo pessoa que serve de exemplo para todos nós . Empreendedor ,Empresário de sucesso ,amigo que nos dá Conselho e que agarramos porque este Conselho vem de uma pessoa sábia que sabe o que está dizendo. Todo reconhecimento que está tendo é simplesmente o fruto de muita garra de uma vida inteira.


VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
0 # ELIETE mourarias 03-07-2016 14:31
Parabéns Família Alkmin, SE OBSERVAREM MELHOR O Edvaldo em uma das fotos está usando a camiseta da AMAM ( Associação do Menor Carente em Manga). Além de empresário , ele é voltado as causas sociais. Nesse projeto ficamos imensamente gratos a você caro Edvaldo. A Empresa sempre com a responsabilidade social. Isso é maravilhoso!!!!
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Antonio Pereira Lima 03-07-2016 17:03
Parabéns Edvaldo pelo trabalho de sucesso, colocando sempre a família em tudo. E, parabéns Luiz Claudio pela matéria jornalística de primeira qualidade.

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
+4 # Luiz Cassio Nascimen 03-07-2016 17:05
Orgulho para todos nós manguenses! Parabéns Edvaldo e Família.

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Lêda Maria Alencar M 03-07-2016 22:43
Sua fé,amor a família, luta e determinação te levaram até aí! Parabéns, Edvaldo!Exemplo p/ nós manguenses. Vitória merecida.Meu abraço a vc, Marta e os filhotes.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Edvaldo Lôpo Alkmim 04-07-2016 10:31
Obrigado amigos pelas curticoes e comentários.
Dedico esse reconhecimento a minha família, porque sempre apoiou, acreditou e participou. Aos meus funcionários, pelo trabalho e dedicação. É a minha querida cidade de Manga, que tanto amo.
Ao jornalista e conterrâneo, Luis Claudio Guedes Oliveira, que apesar da distância, soube observar e reconhecer o trabalhado de minha família.
Mto obrigado a todos.

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Lucia Porfirio 04-07-2016 15:01
Parabéns Edvaldo! Esse sucesso todo não é surpresa para quem conhece você e seu trabalho. Fruto de muita dedicação e perfeccionismo.

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gustavo Guedes 04-07-2016 17:03
A Escola Familia Agrícola Tabocal de São Francisco esteve nessa belíssima demonstração de produção e amor a natureza. Fomos agraciados de passar uma manhã na Fazenda junto de Edvaldo e Marta, meus 37 alunos formandos do curso técnico em agropecuária ficaram maravilhados com tanta determinação e as práticas alternativas e sustentáveis.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Edmar Ferreira 04-07-2016 17:13
Que coisa fantástica. Parabéns Edvaldo, seu empreendimento é um espetáculo e sua gestão modelo para todos nós.

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gustavo Guedes 04-07-2016 17:13
Nilva Vieira olha que matéria brilhante sobre a Fazenda Vista Alegre...

VIA FACEBOOK
Responder | Responder com citação | Citar
Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar