logo 20182

SEMPRE CABE MAIS UM

Ligado .

Reforma administrativa pode levar bolsonarista Eziquel para a base política do PT na Câmara de MangaDireção da Escola Estadual Olegário Maciel recepciona a vereadora Jácia, agora cotada para assumir a Educação do município

Quem tem a caneta cheia, tem a força, diz um antigo axioma da política.

O deputado federal Paulo Guedes (PT) é adepto desses acertos políticos para melhor coalizão, aqueles que, na cartilha do pragmatismo político que professa, criam as condições ideais para melhorar a ambiência da gestão da coisa pública, com a obtenção da chamada governabilidade.

Guedes, o estrategista, reverteu um quadro de minoria na Câmara de Manga que poderia ameaçar a governabilidade do irmão-prefeito Anastácio Guedes.

A base petista havia eleito apenas três dos nove assentos na Casa em 2020, mas tem agora maioria folgada de seis votos contra três.

PG, que se define como moderado, tem os braços sempre abertos para abrigar desafetos dos verões passados.

Coronárias, segundo seu evangelho particular, não são lugar para se guardar mágoas (nem triglicérides, por favor).

REFORMA

Com base nessa premissa, o deputado propõe mudar a configuração da atual composição da bancada governista na Câmara de Vereadores - transformada agora em laboratório para a tese ‘venham a nós todas as criancinhas órfãs do grupo político que desceu para a planície e o ostracismo’.

A administração do prefeito Anastácio Guedes acaba de promover reforma administrativa que prevê, além de aumento generalizado dos gastos com a folha de pessoal.

Paulo Guedes (D) articula mudanças na administração do irmão Anastácio: mudanças de cargos e salários e novas secretárias 

Há caso de variação de 136% nos vencimentos para a função de diretor escolar I e a criação de diversos cargos, entre eles o de coordenador de engenharia, com salário de R$ 5 mil.

Essa ampla reforma inclui ainda a criação de duas novas secretarias - o que eleva o número de pastas das atuais quatro, para seis delas.

NOVAS PASTAS

Sob a supervisão do irmão-deputado, Tasso recriou a Secretaria da Agricultura e Meio Ambiente e desmembrou a pasta da Educação, com a criação da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, que deve cuidar, entre outras coisas, da organização do centenário do município, a ser comemorado em 2023.

O arranjo que criou as novas secretarias inclui o convite para que o vereador Bio Pimenta (PSB) ocupasse a pasta da Agricultura e Meio Ambiente, no que abriria lugar para a atual secretária de Educação, Karina Pinheiro.

Karina é a primeira suplente de vereador do PSB na Câmara e atual secretária da Educação do município, mas decidiu pedir exoneração do cargo por razões de ordem pessoal.

O busílis é que Bio Pimenta não topou - até agora - deixar a maré mansa da vereança para bater ponto no prédio da Prefeitura.

O PSB é parceiro de primeira hora do PT manguense, com a na indicação da atual vice-prefeita, Cassília Rodrigues, e a nomeação de Bio para o primeiro escalão manteria a participação do partido no governo intacta.

VEM PRA CÁ!

O deputado Guedes costura também acordo para levar a vereadora e neo-aliada Jácia Lopes para o comando na Secretaria de Educação.

Vereadora em primeiro mandato e a mais votada nas últimas eleições, Jácia tem ânsias de voos maiores na política local - aspira ao cargo de prefeita e não costuma dormir no ponto.

A eventual nomeação de Jácia para o secretariado de Anastácio tem ainda outro objetivo não declarado: abrir vaga para Eziquel Castilho (PP) assumir uma cadeira na Câmara, mesmo após ser rejeitado pelo eleitor, que não viu nele predicado para tanto.

Eziquel recebeu 242 votos nas últimas eleições e ocupa a primeira suplência do PP - o principal partido da coligação adversária derrotada pelo PT em Manga há pouco mais de um ano.

Procurado pelo site, Eziquel diz que nunca reivindicou a cadeira de vereador e que só soube do assunto pelos comentários de bastidores que circulam na cidade.

TUDO PELA GOVERNANÇA

O ônibus da alegria em Manga é democrático. O que vale é o sincretismo político que junta no mesmo barco os inimigos, mesmos os derrotados na peleja recente.

Embora isso cause estranhamento e revolta calada nos aliados da primeira leva, é vida que segue.

A prioridade é formar uma ampla governança. Paulo Guedes já federal atraiu para a base do irmão-prefeito, além da vereadora Jácia Lopes, a outra parlamentar da Casa Cibelle Santos, a Cibelle da Saúde.

Notem que ambas foram eleitas pelo PP, da base do ex-prefeito Quinquinhas de Quinca de Otílio, o Joaquim do Posto (PSD) - fragorosamente derrotado nas últimas eleições municipais, após realizar uma das piores gestões de todos os tempos no município.

NA JUGULAR

O fato é que, caneta em riste, eis que Paulo Guedes articula agora nova e incisiva tacada nos domínios do adversário Quinquinhas de Quinca de Otílio.

O ex-vereador Castilho apoiava ao nível do incondicional o ainda comandante da oposição em Manga, de quem sempre foi soldado fiel - inclusive pelo fato de frequentaram a mesma sacristia do bolsonarismo agronegocista e truculento que ainda viceja na região.

Virar a casaca para o quintal do petismo talvez não custe dores na consciência a Castilho: afinal, o ex-prefeito e amigo in pectore lhe reservou mero carguinho de consolação no quarto escalão durante o mandato anterior.

UM ADJUTÓRIO

O site apurou que Eziquel foi pego no contrapé pela Reforma da Previdência de Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes.

Aos 63 anos, ele precisa contribuir por mais dois anos para conseguir a aposentadoria pelo limite de idade no INSS.

O ex-vereador chegou a reivindicar a nomeação para um cargo na Câmara, comandada pelo petista Dão Guedes, como forma de pagar as contribuições que faltam para se habilitar à aposentadoria por idade na Previdência Social.

A tinta da caneta Anastácio-Paulo Guedes pode aliviar as dores circunstanciais no bolso do oposicionista Eziquel.

A ‘jogada’ que pode levá-lo para a Câmara de Vereadores, onde terá salário de R$ 8,1 mil reais, seria bem mais vantajosa - com o custo implícito de trair os companheiros do mandato passado.

Na seara da atual oposição, onde o bolsonarismo é ainda dominante, os vira-casaca são vistos como “traidores e oportunistas” indignos do apoio que receberam do ex-prefeito e sua turma.

CHORO DE VIÚVA

Se o acordo que pode levar Eziquel Castilho para a Câmara prosperar, será mais uma rasteira na oposição, ainda meio zonza com a lambada que recebeu das urnas em 2020.

Demora a passar a sensação de fracasso de disputar a reeleição e dar com os burros n’água.

Oposição em Manga, por enquanto, só mesmo nas redes sociais, onde as costumeiras viúvas dos mandatos do ex-prefeito e empresário resmungam contra buracos nas ruas e outras mazelas do dia a dia.

Choro livre de rebanho sem líder e revolta manifesta de quem assiste inerte a luz e a caneta do petismo ora no mando atrair irremediavelmente as mariposas que uma dia voavam no outro milharal.

O OUTRO LADO

Procurada, a vereadora Jácia Lopes não retornou ao nosso pedido para comentar o assunto.

Segundo uma fonte, ela tem mesmo a prerrogativa da indicação para a vaga a ser aberta na Secretaria de Educação, mas que cogita indicar sua cunhada e atual diretora da Escola Estadual Olegário Maciel, Senhorinha Andrade, para o cargo.

A vereadora esteve recentemente no educandário para a entrega de instrumentos musicais (na foto lá do alto) que vão compor a fanfarra do Olegário.

Seu mandato conseguiu o equipamento por meio de verga repassada pelo gabinete do deputado Paulo Guedes.

Jácia tem encontro marcado com o aliado nesta segunda-feira (14), em Montes Claros, onde devem fechar os termos do convite para que ela integre o governo Anastácio.   

Paulo Guedes, por seu turno, confirma as negociações que podem abrir a janela dos fundos para Eziquel entrar no plenário da Câmara, mas ressalta que faltam ainda alguns ajustes e que o martelo não foi batido.

Além disso, segundo o parlamentar, essa possibilidade se insere em contexto bem mais amplo de mudança no atual perfil da administração.

Inclusive, ele explica, com a “premente necessidade da reforma que promoveu ajustes para melhorar os resultados da administração e a atualização dos cargos e salários, defasados em razão da negativa da administração anterior em conceder reajustes para os servidores”.

Comentários  
0 # Elisama castilho 17-02-2022 11:43
Você foi bem infeliz ao escrever esta matéria.
Ezequiel fez uma campanha limpa, sem ajuda e infelizmente não foi o mais bem votado como vc diz e também não foi o último, ser suplente também é bom, mesmo faltando mais de 2 anos para vencer o mandato .É uma pena que este tipo de jornalismo vem para humilhar as pessoas, dando até informação que não é da sua alçada como se a pessoa vai aposentar ou não.

Deixa o suplente trabalhar. Outra coisa, se Paulo Guedes fosse tão ruim assim, ele não seria tão bem votado. Sabe o que é importante? É o companheiro não deixar ninguém pra trás. Companheiro que é companheiro, caminha junto.

Os 242 votos de Ezequiel, foram de pessoas que confiam nele. E sim, precisamos apoiar quem merece. Política não é fácil, cheio de traíras. Assumir um cargo por direito é mérito. Ezequiel se assumir, não será por causa de Quinquinha e muito menos Paulo Guedes, será por resposta aos 242 votos que vc disse que não viram predicado para tanto. O soldado fiel continua sendo fiel, mas para quem reconhece. Não se deixa soldados para trás, principalmente os feridos na guerra.

---------------------------------------------------------------
*NOTA DO EDITOR*: O site procurou o suplente de vereador sobre o assunto, inclusive com o questionamento sobre a questão da aposentadoria. Não houve negativa ou desmentido sobre nada do que foi escrito e o texto cita nominalmente o que ele disse: "Que sabia por bastidores". Instado a dizer se aceitaria o convite, ele disse que o aguardava.
------------------------------------------------------------------
Responder | Responder com citação | Citar
Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar