logo 20182

NOME DO MINISTRO É OUTRO: GUEDES DE GUEDES

Indicação de Paulo Guedes para ministério do Dilma 2 não passa de lenda

A circulação de boatos dando conta que o deputado estadual Paulo Guedes (PT) pode virar ministro serve mais para açodar o ânimo da militância e despertar a curiosidade dos adversários – em especial do prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PRB), do que propriamente hipótese calçada em fatos reais. Por falta de assunto ou insondável motivação, a imprensa ligada ao prefeito Muniz tenta amplificar o boato, talvez na expectativa de que o petista vá para bem longe antes da sucessão municipal de 2016.

Não que Guedes não tenha escopo para chegar à Esplanada, pois a recém-conquistada condição de deputado mais votado em Minas poderia ser boa catapulta para arremessá-lo da condição de líder regional para os salões da República. É que o Ministério do Desenvolvimento Agrário, que se especula seria ocupado por Paulo Guedes, é reivindicado pelo próprio PT para outro Guedes: o economista Carlos Mário Guedes de Guedes, 44 anos, que atualmente ocupa a presidência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Até mesmo o argumento que defende ser a indicação de Guedes, o deputado, ser parte da estratégia para conter os ânimos acirrados entre PT e o PMDB na briga pela presidência da Assembleia Legislativa de Minas não procede. O assunto já está mais ou menos pacificado, com o pré-acordo que estipula o rodízio entre os partidos aliados pelos próximos quatro anos no parlamento mineiro.

SUCESSÃO

Com apoio da bancada governista, Zé de Sá é presidente da Câmara

O vereador José de Sá Elvira, o Zé do Brejo (DEM), deve ser eleito para o cargo de presidente da Câmara de Manga, em sessão prevista para acontecer na tarde desta sexta-feira (5). Vai substituir o atual presidente da Mesa Diretora e também presidente da Associação dos Vereadores da Área Mineira da Sudene (Avams), Leonardo Pinheiro (PSB). Zé de Sá ascende ao cargo por exclusão, já que a base aliada do prefeito Anastácio Guedes (PT) não tem nomes disponíveis para a sucessão.

Os petistas Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz do Foguete e João França Neto, o Dão Guedes (PT) não toparam o desafio. No caso de Dão Guedes, o impedimento se deve ao fato do seu parentesco com Anastácio, de quem é irmão: não ficaria bem mais um sobrenome Guedes em posição de relevo, sobretudo agora que o deputado estadual Paulo Guedes subiu ao Olimpo de parlamentar mais votado na história recente da Assembleia Legislativa mineira .

Zé do Brejo vai comandar um orçamento estimado em R$ 4 milhões pelos próximos dois anos, além de administrar as idas e vindas da minivan GM Spin que a Casa acaba de comprar para uso da vereança local. A tendência é de que a sucessão a Câmara de Manga tenha chapa única. O líder da oposição, vereador Evilásio Amaro (PPS), sonha com o cargo, mas não conseguiu montar monta a chapa para concorrer, porque além de minoritária, a oposição não consegue se entender. Além de Zé de Sá, a situação apresenta os nomes de Dão Guedes para vice-presidente, Eziquel Castilho (PR) para secretário, e Hélio Soares Assis (sem partido), como segundo-secretário.

Nos bastidores, a expectativa dos colegas é de saber se ele vai manter avanços da gestão Leonardo Pinheiro, a saber: o fim da verba de representação que eleva para dois salários (R$ 9,6 mil) os salários do presidente da Câmara e a ‘responsabilidade fiscal que permitiu à Casa pagar o décimo terceiro salário para os vereadores e ainda devolver dinheiro ao caixa central do município. Sem falar na realização de concurso púbico para provimento dos cargos no Legislativo. Zé de Sá já teria manifestado muito interesse em receber o salário extra. Promete.


Leia também:

DEMOCRATA LEVA CÂMARA NA PETISTA MANGA

SUPLENTES MAIS LONGE DAS VAGAS

Dilma quer deputados mineiros nos respectivos legislativos

Pode estar a caminho uma guinada nos planos do governador eleito por Minas, Fernando Pimentel (PT), para montar o primeiro escalão do seu futuro mandato. Segundo nota da coluna ‘Radar Online’, da revista Veja, a presidente Dilma Rousseff pediu ao amigo Pimentel para ‘liberar’ os principais e mais experientes deputados federais do partido para cumprirem seus mandatos em Brasília. O apelo pode afetar os planos de Reginaldo Lopes, cotado parar assumir a Secretaria da Educação, e o atual presidente do PT de Minas, Odair Cunha, nome praticamente certo para ocupar a Secretaria de governo.

Dilma parece antever tempos difíceis com a base aliada no Congresso Nacional – sobretudo agora que se espalha pelo próprio PT o sentimento de que foi traído nas escolhas de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda e de Kátia Abreu (PMDB) para a Agricultura. A presidente quer contar com Reginaldo e Odair para ocupar as trincheiras em defesa do seu mandato. O apelo inclui ainda Miguel Corrêa e Gabriel Guimarães, nomes em ascensão no petismo, que também ficariam de fora da formação do primeiro governo petista em Minas, Além de deputados estaduais como Paulo Guedes.

A ser verdadeira, a notícia contraria o magote de suplentes que esperavam a movimentação dos eleitos rumo ao novo governo para garantir uma chance de assumir cadeiras na Assembleia Mineira e no Congresso Federal. No Norte de Minas, o principal nome a ser atingido com a estratégia é da médica oftalmologista Ariadna Muniz (PRB), que dependeria de complicada obra de engenharia política para sair da condição de 6ª suplência da coligação que elegeu Fernando Pimentel para ocupar uma vaga na Câmara Federal. Ariadna é irmã do atual prefeito de Montes Claros, o empresário e ex-deputado estadual, Ruy Muniz (PRB), que conseguiu eleger a mulher, a também médica Raquel Muniz (PSL), como primeira mulher da região para o cargo de deputada federal.

MAIS FUMAÇA DO QUE FOGO?

Para deputado, jornal faz 'ilação sem prova concreta'

Ainda perplexos com a recente onda vermelha que varreu o Norte de Minas, aliados do senador tucano Aécio Neves no Norte de Minas estão eufóricos com a notícia publicada nesta quarta-feira pelo jornal ‘Hoje em Dia’, dando conta que os nomes dos dois deputados petistas mais votados nas últimas eleições, a saber, Reginaldo Lopes (federal) e Paulo Guedes (estadual), foram citados no relatório preliminar da ‘Operação Curinga’, deflagrada pela Polícia Federal, na terça-feira (18), em municípios da região.

Os federais cumpriram 39 mandados judiciais de busca e apreensão, 19 de condução coercitiva e sequestro de bens nas cidades de Montes Claros, Monte Azul e Espinosa. Procurado pelo repórter Ezequiel Fagundes do 'Hoje', Paulo Guedes negou conhecer o assunto e disse que tudo não passa de ‘factóide’.

Para o petista, a operação da terça-feira mostra caso isolado, sem qualquer vinculação com a sua campanha. “Se houve alguma irregularidade não tenho nada a ver com isso. Obtive 165 mil votos em todo o Estado. É impossível policiar todos os aliados no estado”, declarou. Já Reginaldo Lopes, votado por 310 mil mineiros, não foi localizado para comentar o assunto. Ao Em Tempo Real, Guedes diz que o jornal faz 'ilação' e que erra ao vincular seu nome e do federal Reginaldo Lopes à Operação Curinga, porque a própria Polícia Federal descarta tal hipótese.

A operação apura suspeitas de fraudes na Previdência Social, apontadas em investigação do Ministério Público Federal (MPF) e do próprio INSS. O frisson da futura oposição em Minas, entretanto, é desestimulado pelo próprio jornal, que descarta no texto envolvimento dos parlamentares petistas com o esquema montado para fraudar o INSS. O MPF resolveu desmembrar a investigação para apurar suposto benefício eleitoral.


RUMO AO CONGRESSO

Evento em Brasília atrai vereadores do norte-mineiro

Vereadores de Manga e região vão dar um tempo em suas estressantes rotinas de uma ou duas sessões ordinárias por mês para participar do 7º Congresso Brasileiro de Câmaras Municipais, que acontece aqui em Brasília, entre os dias 25 e 27 de novembro. O Plenário Vereador João Francisco Bernardo (na foto ao lado) vai ficar assim mesmo: às moscas. Pelo menos seis dos nove vereadores da Câmara de Manga devem vir à capital de todos os brasileiros acompanhar a programação que prevê, entre outros, painéis de interesses da agenda dos legisladores municipais.

No caso de Manga, além do presidente da Câmara e também presidente da Associação dos Vereadores da Área Mineira da Sudene (Avams), Leonardo Pinheiro (PSB), mostraram interesse no Congresso da Abracam os vereadores José de Sá Elvira (DEM), cotado para presidir a Casa a partir de janeiro; Gil Mendes, o Gil do Conselho Tutelar (PP); Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz do Foguete (PT), Eziquel Castilho (PR), e Hélio Soares de Assis, o Hélio Boquinha (sem partido). Alguns deles visitam a cidade pela primeira vez, o que representa boa oportunidade para conhecer as opções de turismo cívico que Brasília, inclusive a obrigatória visita ao Congresso Nacional. O evento, que reúne a vereança de todas as regiões do país, comemora os 15 anos da criação da Associação Brasileira de Câmaras Municipais (Abracam).

Temas como resíduos sólidos, orçamento impositivo nos municípios, políticas públicas, reforma política e técnicas parlamentares vão dividir as atenções da vereança. As despesas com passagens e hospedagem. As custam entre R$ 350 e R$ 450 e serão bancadas por cada câmara municipal participante. O evento acontece no auditório do Departamento Nacional de Infraestrutura, localizado no início da Asa Norte.