logo 20182

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO IX: ALARIPE CERTIFICADO

Ligado .

Validado pela Lei Delegada, professor de Juvenília entra na briga pela SRE de Januária

Novo capítulo no novelão pela indicação do futuro titular da Superintendência Regional de Ensino de Januária (SRE). Um dos poucos, se não o único, profissional da educação na região a ter concluído a certificação criada pela Lei Delegada de 180/2011, o professor Alaripe Gonçalves Durães, de Juvenília, avalia que pode ser o nome que reúne a melhor qualificação para o cargo. Sua nomeação, se acontecer, seria solução para o impasse político que tem animado os bastidores do petismo na microrregião de Januária.

O nome mais cotado até o início do ano para assumir a vaga da ex-superintendente Fabrícia Mota Ferreira era da educadora Stela Aparecida Abreu Santos, que não possui a certificação que é pré-requisito para o cargo. Stela é o nome preferido do agora secretário de Estado Paulo Guedes (PT), o deputado mais votado nas eleições de outubro passado. O sindicalismo da educação, entretanto, tem outra indicação aprovada em assembleia. O diretor Luiz Carlos é o nome da preferência da patota da seção local do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, o Sind-Ute.  

Professor de língua portuguesa e literatura, Alaripe é dado às lides poéticas e se auto intitula poeta do cerrado. Atualmente, ele é o vice-diretor da Escola Estadual Antônio Ortiga, em Juvenília. A simples menção ao nome de Alaripe deixa os petistas de Januária em pé de briga. É que o poeta e professor era, há até pouco tempo, um tucano juramentado, que se desfiliou do PSDB para se alistar de mala e cuia nas fileiras dos simpatizantes do deputado -secretário Paulo Guedes. Alaripe poderia ser uma saída técnica para o imbróglio criado com o advento da Lei Delegada 180, mas abrir fissura não indolor na seara petista em Januária.

Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar