logo 20182

GOVERNO REÚNE PREFEITOS DO SEMIÁRIDO

Ligado .

Na pauta, risco de desabastecimento em municípios do Norte de Minas no próximo período de seca

Representantes do governo mineiro reúne na tarde desta quinta-feira (26), na sede da Associação dos Municípios de Área Mineira da Sudene (Amams), em Montes Claros, prefeitos do Norte de Minas, em Montes Claros, para debater o abastecimento de água na região. O encontro é motivado por alerta máximo da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) para o risco real de racionamento em cidades da região e busca soluções que amenizem a escassez hídrica, sempre em conjunto com as prefeituras.

Participam da reunião os secretários Odair Cunha (Governo), Paulo Guedes (Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas), e Tadeu Martins (Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana), além da secretária-adjunta de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Carvalho de Melo, o subsecretário de Assuntos Municipais, Marco Antonio Viana Leite, e a presidente da Copasa, Sinara Meirelles. A trupe governista faz reunião como mesmo objetivo na cidade de Teófilo Otoni, pela manhã, para ouvir prefeitos do Vale do Mucuri.

A força-tarefa de secretários e adjuntos tenta minimizar os danos na popularidade do governo Fernando Pimentel na hipótese, cada vez mais provável, de agravamento na crise hídrica que assola o Estado. No caso do Norte de Minas, a região enfrenta o quarto ano consecutivo de estiagem, com efeitos deletérios para a sua economia, fortemente vinculada à agricultura e pecuária. O secretário de Estado do Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, deu ontem a senha para o que será o primeiro ano do mandato Pimentel: o Estado não tem recursos para investimentos, no que frustra boa parte da expectativa dos prefeitos e próprio governo. A seca é geral.

Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar