logo 20182

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO XI

Ligado .

Odair faz divisão isonômica em nomeações para a Educação regional, mas desagrada gregos e gorutubanos

Os novos  'superintendentes' Zé Gomes (de bata) e Stela Abreu: manguenses indicados pelo secretário Paulo Guedes para as SREs de Montes Claros e Januária (Imagens: perfis no Facebook)

Começaram, há cerca de uma semana e finalmente, as nomeações do governo Fernando Pimentel para os cargos em comissão no Norte de Minas. É a efetivação da temporada de ocupação depois de muita especulação em torno dos nomes de pessoas interessadas nas nomeações. No caso das quatro indicações para superintendências regionais de ensino, o secretário de Estado e Governo, Odair Cunha, a quem cabe a palavra final sobre quem assume e quem vai para a planície dos insatisfeitos, optou por fazer divisão quase salomônica dos cargos entre os deputados e agora secretários Paulo Guedes (Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais) e Luiz Tadeu Martins (Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana), além de contemplar o (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE).

Ao petista Guedes couberam as nomeações para as SREs de Montes Claros e Januária. Os escolhidos, conforme antecipara este Em Tempo Real desde janeiro, foram os manguenses José Gomes Filho, Zé Gomes, para a unidade de Montes Claros assumiu, e Stela Abreu Santos, em Januária, ambos petistas. Já Tadeu Martins apadrinhou a nomeação de Veraci de Souza Jacome (Janaúba), irmã do empresário Juraci Fernandes Jacome, o Juraci da Biossolo (PTB), candidato derrotado nas últimas eleições municipais em Nova Porteirinha. Juraci tem interesses na área da comunicação, em sociedade com o prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PRB) em uma emissora de rádio em Nova Porteirinha.

A nova titular da SRE em Pirapora, Jacqueline Guimarães Santos Aguiar, por sua vez, veio do meio sindical, com o acolhimento do nome indicado pelo Sind-UTE. Indicado pelo secretário Paulo Guedes e o deputado federal Gabriel Guimarães, Márcio Roberto da Silva, o Marcão da Educação, de Várzea da Palma, foi preterido em Pirapora, no arranjo preparado pelo secretário Odair Cunha.   

A ‘formula’ utilizada por Odair Cunha para preencher as vagas da educação com isonomia entre petistas e peemedebistas acabou por desagradar gregos e gorutubanos, além de sindicalistas e políticos, estes últimos de modo especial, porque não teria correspondido ao resultado das urnas em outubro do ano passado. O deputado Paulo Guedes, que foi majoritário em 14 das 17 cidades que formam a Superintendência Regional da Serra Geral, com sede em Janaúba.

Imagem: álbum de família

A nomeação de alguém ligado ao peemedebista Tadeu Martins frustrou as expectativas do petismo local, sobretudo porque o ex-prefeito de Janaúba José Benedito Nunes Neto (PT) contava com a nomeação da cunhada e inspetora escolar Isete Martins para a Superintendência Regional de Ensino de Montes Claros. Isete é mulher do oficial de Justiça José Luiz Nunes, irmão de Zé Benedito, de quem foi chefe de gabinete e secretário municipal de Obras e Serviços Urbanos na Prefeitura de Janaúba. A escolha, vale repetir, foi para o manguense Zé Gomes.

Drible na certificação

Não bastasse o amuo geral com as nomeações, o governo petista ainda encontrou um jeito engenhoso para superar o fato de que os principais pretendentes aos cargos não tinham a certificação prevista na Lei Delegada 180, promulgada pelo ex-governador Antonio Anastasia (PSDB). O processo de certificação ocupacional para o exercício do cargo de provimento em comissão destinado a responder pelas superintendências regionais de ensino avalia habilidades técnicas e conhecimentos da legislação para o exercício da função, que em última instância, define as políticas públicas educacionais para a área de abrangência.

Com o argumento de que os tucanos deram preferências aos seus aliados na fila para a emissão do documento, os nomes indicados para as SREs não foram para o cargo de superintendente, como seria de se esperar, mas para as vagas de diretor pedagógico, função que não exige a certificação e é passível de provimento em casos de vacância nas regionais de ensino. Vou traduzir: a Secretaria de Educação deixou vagos os cargos de superintendente regional de ensino deliberadamente para nomear os novos titulares, que devem ganhar tempo para correr atrás do diploma.


 

Veja o que já publicamos sobre este assunto:

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO X

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO IX: ALARIPE CERTIFICADO

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO IV

TEMPORADA DE OCUPAÇÃO II

Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar