logo 20182

DÊNISTON LANÇA 'REMEIROS DO SÃO FRANCISCO'

Ligado .

Documentário traz depoimentos inéditos sobre a história da navegação do Rio São Francisco

### Filme terá lançamentos também nas cidades de Montes Claros, Manga e Januária, no norte de Minas, e em Juazeiro, na Bahia

A história da navegação no rio São Francisco e a importância da sua preservação poderão ser conhecidos, pela primeira vez, no documentário “Remeiros do São Francisco”, filme inicial da trilogia “Navegantes do Velho Chico”. A obra será lançada em Belo Horizonte no dia 27 de março, às 19h30, no auditório do Crea Cultural. O documentário que resgata, com depoimentos, imagens e fotografias históricas do São Francisco, também será lançado nas cidades de Montes Claros, Manga e Januária, no norte de Minas.

O filme é uma produção do diretor manguense Dêniston Diamantino, que se dedica, há mais de 30 anos, à pesquisa e produção de documentários sobre meio ambiente e cultura popular no vale do São Francisco. “Remeiros...” começou a ser produzido em 1988. Ao longo dos mais de 25 anos, o diretor colheu depoimentos, registros e relatos inéditos sobre a história do Rio São Francisco.

“Naquela época tive a chance de conhecer alguns remeiros e comecei a fazer as gravações. Pouquíssimas pessoas conhecem ou já ouviram falar dos remeiros e de suas barcas, apenas os mais velhos ainda se recordam. Muitos não sabem nem que já houve navegação no São Francisco. É uma história fascinante, com tristezas, sofrimentos, mas também muitas alegrias e cantorias”, explica o diretor.

A obra, segundo Diamantino, tem o objetivo de resgatar a história e mostrar como, um dia, foi intensa a navegação no Velho Chico. “Em um tempo muito mais precário e de tecnologia rudimentar, as barcas de vara transportavam até 50 toneladas de mercadorias. A navegação foi fundamental para consolidar as cidades do Vale, e, se tivesse sido preservada, teríamos um rio muito mais saudável, que poderia oferecer a sua população trabalho, renda, intercâmbio cultural, como acontece em vários rios no mundo”, destaca.

Trilogia

O documentário foi gravado em várias cidades de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco, com trilha sonora original, desenvolvida pelo músico Rodrigo Freitas a partir do canto original dos remeiros. Os principais personagens são os próprios remeiros, que relatam seus conhecimentos e lembranças. A obra tem participação do antropólogo e escritor Zanoni Alves e traz fotografias históricas da década de 1940, do francês Marcel Gautherot e da americana Genevieve Naylor, entre outras.

“Remeiros do São Francisco” faz parte da trilogia “Navegantes do Velho Chico”, que terá, na sequência, documentários sobre os vapores e rebocadores. Numa viagem imaginária em 1928, a bordo da barca “Surubim Rey”, os remeiros revelam o sofrimento do árduo trabalho nas barcas, as curiosidades, superstições, cantigas, devoções, histórias trágicas e lembranças memoráveis na carreira grande do rio. Caminhando nas coxias das barcas, com varas ao peito, eles impulsionavam as embarcações comercializando porto a porto, rio acima e rio abaixo, toneladas de mercadorias.

“Vivemos num país sem memória ou quase sem ela. Precisamos valorizar nossas raízes, saber de onde viemos, quem fomos, como formamos a nossa identidade. A navegação é uma passagem importante da nossa história”, ressalta.

Adicionar comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar