logo 20182

MANIFESTANTES BLOQUEIAM BR-135 EM MANGA

Ligado .

Motoristas voltam a reclamar de péssimas condições da estrada e pedem início da pavimentação entre Manga e Itacarambi

Imagens da manifestação: acesso fechado em protesto pela demora no asfaltamento da rodovia federal

Cansados de tanto esperar pela solução que não vem, usuários da BR-135 no subtrecho entre Manga e Itacarambi, no extremo Norte de Minas, decidiram realizar bloqueio na rodovia na manhã desta sexta-feira (13). Manifestantes fecharam o leito da rodovia com pneus velhos e galhos de árvores retirados da vegetação que, por vezes, ameaça invadir a pista de rolamento. O protesto, que reúne cerca de 60 pessoas, acontece em um ponto próximo à cidade de Manga.

Segundo o site apurou, não há uma liderança definida nem conotação explicitamente política no movimento, que seria
mais uma tentativa de sensibilizar as autoridades para o velho problema que se repete a cada verão, quando a BR-135 fica praticamente intransitável após o início do período chuvoso.

O protesto é liderado por taxistas que oferecem serviços de transporte intermunicipal entre cidades da região, mas ganhou também a adesão de outros usuários da rodovia. Além dos atrasos nos deslocamentos, maior queixa dos manifestantes é pelos constantes prejuízos com perdas de pneus e desgastes nos veículos. Algumas máquinas foram enviadas para a rodovia após circular a notícia do protesto. Motoniveladoras começaram a aplainar a pista durante a quinta-feira, mas a medida é considerada paliativa, quando não inútil, já que qualquer ocorrência de chuva deixa a pista novamente esburacada.

A pavimentação da BR-135 entre Itacarambi e a divisa com o Estado do da Bahia foi autorizada durante visita do então ministro Paulo Sérgio Passos em junho de 2010, mas só foram concluídos dois dos três subtrechos licitados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit). Um deles, o que separa o povoado de Monterrey e Montalvânia, com extensão de 18 quilômetros, foi suspenso após problemas com a empresa vencedora da licitação e só foi retomado em novembro do ano passado.

Cavernas do Peruaçu


Já o trecho entre Manga e Itacarambi, que motivou o protesto desta sexta-feira, sequer chegou a ser licitado em razão dos problemas que surgiram durante o processo de licenciamento ambiental. No atual estágio, uma empresa de Goiânia realiza levantamentos no traçado entre Manga e o povoado de Rancharia para a conclusão do projeto-executivo que vai confirmar ou não a existência de possíveis impactos da rodovia nas cavernas do Parque Nacional do Peruaçu.

Há ainda suspeitas de que futuro asfalto possa passar pela área do que foi um antigo cemitério indígena da etnia xakriabás, que aldeia remanescente próximo à rodovia. Há a expectativa, ainda difusa, de que a pavimentação do trecho entre Manga e a cidade vizinha de São João das Missões possa ser desmembrado e ser anunciado ainda neste ano de 2015.

LEITE PELA VIDA: PRODUTOR RECEBE ATRASADO

Ligado .

Produtores de leite, cooperativas e laticínios cadastrados no programa estavam sem receber desde outubro de 2014

O novo secretário de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais, Paulo Guedes, resolveu dar um 'choque' de boa impressão neste início de gestão na pasta. O atraso no pagamento dos fornecedores do programa Leite pela Vida, que durou quatro meses e afetou quase cinco mil produtores rurais, além de cooperativas e laticínios, começou a ser regularizado nesta segunda-feira (9). Do total de R$ 2,1 milhões autorizados para a quitação dos débitos referentes a 2014, o Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene) já efetuou o pagamento de mais de R$ 1 milhão. O restante depende agora da apresentação de documento fiscal atualizado, já que alguns fornecedores estão com Certidão Negativa de Débito (CND) vencida.

O secretário Guedes diz que os pagamentos estavam atrasados mesmo com os recursos na conta da Secretaria. Logo que tomou conhecimento do problema, ele solicitou às secretarias de Planejamento (Seplag) e Fazenda (SEF) a autorização para a quitação dos débitos. “Estamos regularizando todas as pendências de 2014 e trabalhando para que o faturamento de janeiro também seja pago ainda esta semana”, garantiu.

Além de manter o pagamento dos fornecedores em dia, o secretário também pretende aumentar o volume de leite distribuído. O programa, que já entregou quase 140 mil litros de leite/dia, hoje entrega pouco mais de 75 mil litros. “A nossa meta é chegar a 150 mil litros/dia, ampliado também para a merenda escolar. Para isso, pretendemos elevar o volume de cota dos produtores, que hoje é de apenas R$ 4 mil por semestre, o que representa menos de 23 litros por dia”, declarou Guedes.

 

PIMENTEL VÊ 'SIMBOLISMO' NA POSSE DE GUEDES

Ligado .

Durante posse na Sedinor, governador promete 'mudança de paradigma' no tratamento destinado ao meio-norte mineiro 

Governador deu posse ao deputado Paulo Guedes na Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste (Foto: Manoel Marques)

[COM AGÊNCIA MINAS E VALDO FERREIRA] - O governador Fernando Pimentel empossou, nesta quarta-feira (4), em Montes Claros, o deputado estadual Paulo Guedes (PT) no cargo de secretário de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais. O centro de eventos do Parque de Exposições João Alencar Athayde recebeu cerca de 1,5 mil pessoas para a solenidade, que também incluiu a posse do prefeito de Capitão Enéas, o petista Cesar Emílio Lopes, no cargo de presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams). A decisão de realizar o evento em Montes Claros foi simbólica e teve como objetivo mostrar a importância que a região terá para o atual governo.

Pimentel destacou, em seu pronunciamento, que a transferência da solenidade de posse para Montes Claros tinha um simbolismo especial. “Fizemos questão de fazer essa exceção e trazer a posse do companheiro Paulo Guedes para essa cidade para deixar claro nosso compromisso e nosso empenho em resgatar tudo aquilo que o Norte de Minas precisa e merece e que não foi feito nesses últimos anos”, afirmou.

A posse reservou momentos para troca de afagos entre o governador e o novo secretário. Pimental lembrou que Guedes foi o “deputado mais bem votado na história do parlamento mineiro” e disse que ele deve servir como inspiração para que o Estado resgate a importância política e econômica dessas regiões. Pimentel lembrou que deu posse a todos os secretários na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, mas reservou a posse de Paulo Guedes para Montes Claros, como símbolo da mudança de paradigma, que consiste em tratar o Estado de forma unificada. “Fizemos isso para reafirmar que Minas é minas, mas também é gerais”, reforçou. A própria marca do governo demonstra essa intenção. Antes “Governo de Minas”. Agora, “Governo de Minas Gerais”.

O governador disse ainda que o ato também era para reafirmar os compromissos assumidos para que o Estado possa avançar. “Precisamos da força das Minas e da força das Gerais para fazer esse Estado avançar, para fazer com que tenha água onde não tem, para fazer a educação andar de pé e melhorar, ter dignidade para os servidores da educação, para fazer a saúde sair do papel, para colocar o Samu atendendo em todas as regiões, para colocar os centros de especialidades, que vamos fazer em todas as regiões do Estado. Estou reafirmando isso em alto e bom som, apesar de o Estado estar em dificuldades seríssimas”, completou.

Missão

QUE CRISE QUE NADA... TUDO É CARNAVAL

Ligado .

Gestões petistas em Januária e Manga mantêm a festa, a despeito das incertezas

Os foliões Anastácio e Manoel Jorge não querem deixar a festa acabar

Os sinais de crise por todos os lados (hídrica, econômica, política, os hospitais locais em petição de miséria, e por aí vai...) não foram motivos suficientes para que os prefeitos petistas de Januária (Manoel Jorge) e de Manga (Anastácio Guedes) cancelassem os carnavais das duas cidades. Mesmo com a possibilidade cada vez mais real de queda na arrecadação ao longo do ano, que promete ser difícil, eles resolveram manter os investimentos no carnaval. Em Januária, Manoel Jorge volta a lançar mão do recurso da parceria-público-privada (PPP) para não deixar os foliões sem verem a banda passar.

Propagandeada como uma das melhores festas do gênero na região, a folia januarense mistura muito axé com o que restou da tradição dos blocos carnavalescos. A Prefeitura planeja investir R$ 158 mil no evento com a oferta da infraestrutura necessária para o evento. Além da montagem do palco, arquibancadas e dos banheiros químicos, o município vai contratar um mini trio elétrico para garantir o desfile dos blocos.

Segundo Aurélio Vilares, empresário da Dark Produções, que organiza eventos na cidade, entre eles o carnaval local, há mais de 10 anos, o custo total da festa deve girar em torno dos R$ 500 mil, cifra que ele considerada modesta para o tamanho do evento. A Dark Produções, que vai botar nas ruas o Bloco Chico Doido nas noites do sábado e da terça-feira gorda, estima gastos de R$ 160 mil. O bloco comandado por Aurélio, entretanto, cobra entre R$ 60 e R$ 80 pelos abadás que dão direito à participação no circuito da folia.

“A perspectiva é boa, até porque mais de sete cidades cancelaram seus carnavais em toda a região. A festa top de linha deste ano vai acontecer em Diamantina, mas com trio e axé o forte será mesmo aqui em Januária, mesmo sem o investimento de anos anteriores”, avalia Vilares.

Manga

APAGÃO NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Ligado .

Municípios da microrregião de Januária têm reunião com empresa responsável por troca de lâmpadas

Imagem e informações: José Maria Guedes

Segue a rodada de assinaturas de contratas entre municípios filiados à Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amans) e a empresa espanhola Asolar Energy Projetos e Serviços para a prestação dos serviços de manutenção da iluminação em cidades do Norte de Minas.

A exemplo do que aconteceu em Pirapora, na semana passada, nesta segunda-feira (2), foi a vez de nove municípios da microrregião de Januária receberem o presidente da Asolar, o espanhol Carlos Vivice, na foto ao lado quando cumprimenta o prefeito de Januária, Manoel Jorge (PT), para finalizar os termos do contrato, que será assinado na próxima quarta-feira, em reunião de trabalho em Montes Claros.

A Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) deixou de fazer a troca de lâmpadas nas cidades de mineiras no final do ano passado, após o fim do prazo determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para que os municípios assumam os ativos de iluminação pública.

Para contornar as dificuldades que pequenas cidades teriam para cumprir com a nova obrigação, a Amams criou o Consórcio Intermunicipal Multifinalitário da Área Mineira da Sudene (Cimans). A demora na conclusão da transferência, que chegou a ser adiada em duas ocasiões, além do atraso da Amams em realizar a licitação gerou uma espécie de 'apagão' na gestão dos chamados ativos de iluminação pública.

O prefeito Manoel Jorge foi o anfitrião do encontro realizado no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas do município, que contou ainda com as presenças dos colegas prefeitos de Cônego Marinho, Natalino Rodrigues (PDT), e Evandro Gonçalves (PSB), de Lontra, além do secretário-executivo da Amams, Luiz Lobo, que atua como cicerone do dono da Asolar em suas andanças pelo norte-mineiro. Os prefeitos de Itacarambi, Manga, Pedras de Maria da Cruz, São João das Missões, Juvenília e Montalvânia optaram por mandar representantes.

A Asolar Energy promete assumir a troca de lâmpadas na microrregião até o final deste mês. O Consórcio Intermunicipal Cimans foi o responsável pela licitação que escolheu a espanhola Asolar Energy para realizar serviços de manutenção da iluminação pública nas ruas das cidades consorciadas – com exceção da troca ou instalação de postes, que continua a cargo da Cemig. No caso da Amams, a empresa espanhola ofereceu preço unitário de R$ 4,60 pela manutenção de cada poste de luz. O Cimams vai contratar a manutenção de 92 mil pontos de iluminação, o que corresponde a desembolso mensal de R$ 423 mil (ou R$ 5 milhões por ano), custo que será dividido proporcionalmente ao tamanho de cada cidade.


Energias renováveis